Educação

Mestrados em gestão portugueses sobem posições no ranking do Financial Times

652

O mestrado da Universidade Nova subiu seis posições e o da Universidade Católica subiu três. Pela primeira vez, entram na lista dos 50 melhores mestrados em gestão do mundo.

Todos os anos, o jornal britânico Financial Times divulga o "ranking" mundial dos melhores mestrados de gestão

SHAUN CURRY

Os mestrados em gestão da Universidade Nova de Lisboa e da Universidade Católica, são os 48º e 49º melhores do mundo, respetivamente, de acordo com o ranking mundial do Financial Times, divulgado esta segunda-feira. O primeiro subiu seis posições e o segundo três na lista que contempla os 70 melhores mestrados de gestão financeira do mundo.

ranking_mestrado_gestao02

 

José Ferreira Machado, diretor da Nova School of Bussiness and Economics (SBE), afirmou ao Observador que esta subida no ranking se deve à forte corrente de “internacionalização do programa”. Todos os anos, muitos dos alunos que frequentam o mestrado passam por experiências em “São Paulo, Varsóvia ou Madrid.”

Mas, quanto a subir mais posições no próximo ano, Ferreira Machado usa uma metáfora para ilustrar a dificuldade: “Nós estamos a correr, mas os outros também estão a correr.” Mesmo assim, admite que existe o objetivo de entrar no grupo dos 40 melhores mestrados em gestão e que este “é um processo que começou há muito tempo e decorre de forma gradual”. Lembrou, também, que a Universidade Nova de Lisboa tem as “limitações de uma escola pública” na contratação de professores e limite no valor das remunerações.

Cerca de 40% dos alunos que frequentam o mestrado são estrangeiros, contou ao Observador. Apesar de não terem cadeiras especializadas em Gestão para os mercados de tecnologia, um dos mais emergentes, disse que os alunos têm contacto com esses temas nas cadeiras de empreendedorismo. E, quando questionado se o programa escolar do mestrado foi adaptado para estudar a crise que se passou em Portugal nos últimos três anos, Ferreira diz que tal não aconteceu, mas todos os alunos são postos à prova em algumas cadeiras “como gerir em ambientes de crescimento zero”.

A Nova SBE também faz parte do grupo de universidades que leciona o programa CEMS MIM (Master’s in International Management) disponível em toda a rede de escolas da Global Alliance in Management Education. Este mestrado ficou colocado na quinta posição do ranking mundial.

 

ranking_mestrado_gestao01

Os argumentos utilizados por Francisco Veloso, responsável pelo mestrado da Católica Lisbon School of Bussiness and Economics (SBE), são semelhantes: a dimensão internacional do mestrado e a capacidade de colocar quem o conclui em grandes empresas. “Mais de 50% dos alunos são internacionais”, conta ao Observador. Ao todo, já passaram alunos de mais 50 nacionalidades pelo mestrado, dos quais mais de 100 eram alemães.

O mestrado em gestão da Universidade Católica subiu da 52ª posição para a 49ª posição na lista do Financial Times. Os principais aspetos a ter em conta são que, nos últimos três anos, o número de candidatos internacionais aumentou dez vezes e que cerca de 97% dos seus graduados está colocado no mercado do trabalho ao fim de três meses.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Contratos de Associação

O fim de um princípio

Ana Rita Bessa
1.167

Diminui o número das escolas com contratos de associação, mas há mais alunos no ensino privado. O que sugere que tais colégios perderam a diversidade, tendo saído, sem escolha, os que não podiam pagar

caderno de apontamentos

Educar para o futuro /premium

Eduardo Marçal Grilo
716

Os jovens portugueses nada devem temer na sua comparação com os de países mais avançados tecnologicamente, mas para poderem “voar” têm que ganhar mundo, ser pró-ativos e não ter medo do futuro.

Ministério da Educação

O regresso do «eduquês»

Luís Filipe Torgal
837

O ardiloso engenho curricular "Autonomia e Flexibilidade Escolar" tornou a escola num processo kafkiano e numa Torre de Babel onde ninguém se entende, com instrumentos opacos, absurdos e inexequíveis.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)