Literatura

“O Principezinho”, de Saint-Exupéry, será reeditado a partir da edição de 1943

208

"Pela primeira vez, os leitores portugueses terão ao seu dispor a versão do livro tal como Exupéry o escreveu e o entregou à editora americana em 1943", revelou a Porto Editora.

O prefácio foi escrito por Valter Hugo Mãe

©D.R.

Autores
  • Agência Lusa
  • Sara Otto Coelho

O livro O Principezinho, do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, terá em janeiro uma nova edição no mercado português, a partir da primeira edição da obra, de 1943, revelou esta terça-feira a Porto Editora. O livro, um clássico da literatura para jovens e adultos, já foi traduzido para dezenas de línguas, já teve várias edições em português – existe também em mirandês -, mas segundo a Porto Editora, “pela primeira vez, os leitores portugueses terão ao seu dispor a versão deste livro tal como Exupéry o escreveu e o entregou à editora americana em 1943”.

Antoine de Saint-Exupéry escreveu e ilustrou O Principezinho em 1942 nos Estados Unidos, onde estava exilado. A obra foi publicada pela primeira vez em abril de 1943 nos Estados Unidos em inglês e em francês. Naquele mês em que a obra foi publicada, o escritor e piloto partiu para combater na Argélia. Morreu em 1944 sem saber que o livro foi publicado também em França (1946) – numa edição com ligeiras alterações em relação à publicação norte-americana – e se tornou num sucesso internacional.

A nova edição portuguesa (112 páginas) tem por base “um trabalho de investigação que fixa texto e ilustrações conforme a edição de 1943”, sustenta a editora, e segue acompanhado de um prefácio de Valter Hugo Mãe. O manuscrito original de O Principezinho, que inclui páginas manuscritas e outras dactilografadas, assim como as ilustrações, que Saint-Exupéry confiou a uma amiga, Silvia Hamilton, estão atualmente depositados no The Morgan Library & Museum, em Nova Iorque.

A obra, na qual Saint-Exupéry escreveu que “o essencial é invisível aos olhos”, reúne uma série de parábolas em que um pequeno príncipe conta a um piloto as suas aventuras, entre as estrelas e os planetas e nas quais entram também um rei, um geógrafo, uma raposa e uma serpente.

Aconselhado no Plano Nacional de Leitura, O Principezinho é um dos livros mais traduzidos e vendidos em todo o mundo, já deu origem a jogos, séries de televisão e as personagens foram apropriadas para uma profusão de objetos e material didático.

A Porto Editora vai disponibilizar o livro em duas edições diferentes. A primeira, que sai no início de janeiro, insere-se na Coleção Educação Literária. A outra, que chegará às livrarias no final do mesmo mês, terá um formato maior e capa cartonada.

principezinho-capa

©Porto Editora

 

Em 2015, O Principezinho entrará no domínio público, mas o responsável pela gestão da obra de Saint-Exupéry fez saber, há alguns meses, que quem utilizar a imagem das diferentes personagens sem pagar direitos de autor estará a violar a lei. Para 2015 está também prevista a estreia de um novo filme de animação, com realização de Mark Osborne e com as vozes de James Franco, Rachel McAdams, Marion Cotillard, MacKenzie Foy, Jeff Bridges, Paul Giamatti e Benicio Del Toro.

Também este ano foi publicada em Portugal a biografia Antoine de Saint-Exupéry: Vida e Morte do Principezinho, pela editora Vogais. Escrita em 1993 pelo jornalista Paul Webster, os primeiros capítulos estão disponíveis online.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)