Fotografia

Sexo e “takeout”: A fotografia de Sarah Bahbah

Sarah Bahbah juntou sexo e comida e criou "Sex and Takeout", fotografias de momentos "especiais" - a sós ou acompanhados.

© Sarah Bahbah

Sarah Bahbah é uma perfeita desconhecida para muitos, mas as suas fotografias têm percorrido a internet. A série Sex and Takeout tem recebido alguma atenção por parte dos meios de comunicação, que a têm associado à expressão food porn, utilizada para descrever imagens de comida deliciosa. Mas não é só de comida que se trata. Sarah mistura comida e sexo, fotografando pessoas nuas com fast-food. É um retrato sincero, cuja história é mais antiga do que as próprias fotografias.

Foi há seis anos que a australiana Sarah Bahbah pegou pela primeira vez numa máquina fotográfica. “Peguei na máquina da minha irmã, que ela tinha comprado para a universidade, e parti numa aventura”, contou ao Observador. Sozinha, foi tentando perceber como a máquina funcionava e fazendo algumas experiências. “Acabei por perceber como funcionava, e seis anos depois, aqui estou”.

Pepperoni. #sexandtakeout

A photo posted by Sarah Bahbah (@raisedbythewolvesau) on

Nunca mais largou a máquina. As fotografias que tirou — e que ainda tira — são o relato das suas viagens. Dos concertos a que assiste, dos festivais e, acima de tudo, das pessoas que encontra na estrada. Independente do tema e abordagem, as fotografias de Sarah têm sempre uma constante — o amor pela forma humana. “Adoro a forma humana. Acredito que temos energia suficiente para carregar uma central elétrica”, confessou. “Tentou refletir essa energia através das minhas fotografias”.

Sex and Takeout surgiu de uma dessas muitas viagens. O conceito é inspirado numa viagem aos Estados Unidos da América, que fez com um antigo namorado. “Encomendámos demasiada comida chinesa e devorámos arroz frito e noodles que comprámos no Styrofoam [um restaurante takeaway], enquanto víamos os Flinstones deitados na cama”, contou. Mas esse foi apenas um de muitos momentos passados na companhia de fast-food. “Acabámos por ter muitos momentos desses, como entrar num Uber à uma da manhã só para ir ao “drive-in”do McDonald’s e depois voltar para casa para ver o Breaking Bad até amanhecer”. Foram esses momentos “especiais”, só entre os dois, que tentou captar em Sex and Takeout.

Quis captar esses momentos de intimidade e indulgência através da criação e recriação de experiências íntimas com quais toda a gente se podia relacionar, quer se trate de dois amantes ou de prazer individual. E foi o que fiz”.

Sobre a repentina fama das suas fotografias, Sarah disse que não estava à espera de nada disso. “Apenas esperava o melhor”, admitiu. Em relação ao termo food porn, disse não concordar completamente, mas que a expressão realmente se adequava ao conteúdo das suas fotografias. “Gosto de pensar que Sex and Takeout é um bocadinho mais elegante do que pornografia, mas se gostam de lhe arranjar um tema, então sem dúvida que se enquadra”.

I love you like I love french fries. #sexandtakeout

A photo posted by Sarah Bahbah (@raisedbythewolvesau) on

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)