Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Quem está atento às paredes que o rodeiam, em Lisboa, já deverá, com certeza, ter reparado aqui e ali em trabalhos com a assinatura de Sérgio Odeith, um dos writers mais antigos e conhecidos da cidade, cujo trabalho há muito saltou fronteiras — é possível encontrar obras suas em cidades como Londres, Dubai, Nova Orleães ou Abu Dhabi.

Contudo, só mais recentemente é que o mundo (pelo menos o cibernético) tem vindo a despertar para o talento de Odeith, como o provam menções e aparições recentes nos sites Bored Panda, Laughing Squid, FubizFrom Up North ou Demilked, entre outros. Tudo isto num espaço de pouco mais de dois meses. E a que é que se deve toda esta atenção? A uma das vertentes do seu portfólio, o chamado trabalho anamórfico.

anamorphic-chrome-letters-odeith-MONEY-CANT-BUY-FREEDOM-2015

Um dos últimos exemplos do trabalho anamórfico de Odeith.

Usando duas ou mais paredes e o chão, Odeith consegue criar a ilusão de que o que pinta está a sair da parede e a flutuar sobre o solo, como se fosse um objeto tridimensional. Este tipo de técnica não é propriamente novidade para o writer, que a usa há cerca de dez anos. Mas como em tudo na vida, claro, tem vindo a aperfeiçoá-la e alguns dos últimos exemplos (que pode ver na fotogaleria, entre outros) são inacreditáveis, no sentido literal do termo.

De notar também que os 32 melhores trabalhos de Odeith entre 2012 e 2014, tanto nesta técnica como noutras, estão compilados num livro em formato A5, que custa 20€ e pode ser adquirido aqui.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR