Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Popcorn Time, site onde é possível ver filmes e séries gratuitamente, sem fazer download, sofreu uma derrota no Reino Unido. Um tribunal inglês ordenou aos grandes fornecedores de serviços de Internet que bloqueassem o acesso à página. A indústria de Hollywood aplaude a decisão e aguarda réplicas em outros países.

Foi a primeira vez que um tribunal decretou o bloqueio ao Popcorn Time, pela distribuição não autorizada de filmes e séries. O revés a um dos sites de streaming com maior sucesso no mundo animou Hollywood. A Motion Picture Association of America (MPAA), associação que defende os interesses dos maiores estúdios americanos de cinema, e que moveu o processo, considerou que a ordem judicial é uma “medida efetiva e proporcional para combater sites dedicados a promover e a facilitar infrações de direitos de autor online”.

O comunicado, citado pela Variety, continua. “A indústria de cinema e televisão é composta por centenas de homens e mulheres que trabalham arduamente nos bastidores para criar as histórias vibrantes e criativas que vemos nos ecrãs. Roubar este conteúdo mina o bom trabalho”.

De acordo com o Financial Times, a ordem do tribunal requer que os cinco maiores serviços de Internet do Reino Unido – BT, EE, Sky, TalkTalk e Virgin Media — bloqueiem o acesso aos quatro sites do Popcorn Time – popcorntime.io, flixtor.me, popcorn-time.se e isoplex.isohunt.to.

Em Portugal existe um serviço semelhante, o Wareztuga. O Popcorn Time foi criado por anónimos na Argentina e, apesar dos muitos esforços das indústrias de cultura e entretenimento, anda ninguém o conseguiu encerrar. Do lado oposto estão os milhões de utilizadores mensais da página, que disponibiliza séries e filmes recentes, muitas vezes ainda em cartaz, ou disponíveis mediante pagamento em plataformas como a Netflix.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR