829kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Os Simpsons perdem ator, mas ganham cidade

Este artigo tem mais de 5 anos

26 anos depois, Harry Shearer, ator que dava voz a alguns dos mais importantes personagens da série, sai. Em contrapartida, foi inaugurada uma recriação em tamanho real da cidade de Springfield.

Harry Shearer dava voz a Ned Flanders, Principal Skinner e o Mr. Burns há mais de 25 anos
i

Harry Shearer dava voz a Ned Flanders, Principal Skinner e o Mr. Burns há mais de 25 anos

wochit Entertainment/ Youtube

Harry Shearer dava voz a Ned Flanders, Principal Skinner e o Mr. Burns há mais de 25 anos

wochit Entertainment/ Youtube

Mr. Burns, Ned Flanders, Principal Skinner, Otto e Smithers perderam a voz.

O ator Harry Shearer, que dava voz a estas personagens da série “Os Simpsons”, anunciou esta quinta-feira pela rede social Twitter que iria abandonar o programa. Há mais de 25 anos que o ator norte americano de 71 anos dava a voz a alguns dos personagens mais carismáticos da série: o arrumado vizinho cristão Ned Flanders, o diretor da escola (e eterno arqui inimigo de Bart) Seymour Skinner e o Mr. Burns, o milionário ganancioso.

Além disso também fazia a voz de outros pequenos (mas acarinhados) personagens: Rainier Wolfcastle e o antagonista intergaláctico Kang.

Ainda não se sabe o motivo da saída de Harry Shearer. Segundo o International Business Times, Shearer ainda não tinha assinado o contrato e estava a atrasar o processo de produção das temporadas 27 e 28 dos Simpsons. Apesar de Shearer ter estado sempre envolvido noutros projetos, como Godzilla (1998) e Dawson’s Creek (2000), um segundo tweet do ator revela que “a liberdade para outros trabalhos” pode estar na origem da sua retirada.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O TMZ, tablóide online norte americano, alega que a saída de Shearer pode estar relacionada com o pagamento de royalties do merchandising e divisão de lucros. O co-criador dos Simpsons, Al Jean, disse ao New York Times que “Harry Shearer teve uma oferta igual à que o resto do elenco aceitou, e ele recusou.”

“O programa continuará e desejamos-lhe tudo de bom. A Maggie levou isto a peito. Não planeamos matar a personagem de Burn e Flanders”, acrescentou na declaração, prometendo que vão fazer vários castings para encontrar os “maiores talentos disponíveis”.

Já se pode beber uma cerveja na Taberna do Moe

Enquanto os Simpsons perdiam a voz de algumas das suas mais carismáticas personagens, uma recriação em tamanho real da cidade de Springfield estava a ser inaugurada no parque de diversões da Universal Studios, em Los Angeles.

“A Taste of Springfield” é a extensão do “Simpsons Ride”, a zona do parque da Universal Studios dedicada à lendária animação americana. É uma recriação total da cidade da série americana com os edifícios familiares a qualquer fã da série, entre eles o local de trabalho de Homer Simpson, a central nuclear gerida pelo Mr. Burns, a loja de conveniência de Kwik-E-Mart, a Taverna do Moe e a loja de hambúrgueres do palhaço Krusty.

“O importante era ser fiel à marca [“The Simpsons”], se tratava de dar-lhe altura profundidade e textura”, explicou o diretor do projeto Jon Corfino, que contou com o acompanhamento da equipa de desenho da série.

Na inauguração da cidade de Springfield em tamanho real, a equipa de produção dos “Simpsons” fez questão de se mostrar entusiasmada com o crescimento da série. Com a garantia de mais duas temporadas, garantem que há sempre mais por fazer.

“Enquanto há gente que continua a fazer coisas estúpidas na vida real, nós continuaremos a ter histórias por escrever”, declarou o produtor e guionista Michael Price, que acredita que o êxito dos “Simpsons” é a sua “temática universal”.

A animação “The Simpsons” começou em 1989 e tudo aponta que termine em 2017, chegando aos 625 episódios.

Texto editado por Filomena Martins.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Apoie o jornalismo independente desde 0,18€/ dia
Ver planos
Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas