435kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

A conturbada história de Sia Furler, que já compôs para Beyoncé, Rihanna e muitas outras estrelas pop

Este artigo tem mais de 5 anos

O que têm em comum Beyoncé, Britney Spears, Katy Perry, Rihanna e Shakira? Todas têm canções escritas por Sia Furler - uma compositora pop que diz achar que muito do que compõe é "foleiro".

i

Jason Merritt

Jason Merritt

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Pretty Hurts”, de Beyoncé. “Double Rainbow”, de Katy Perry. “My heart is open”, de Maroon 5 e Gwen Stefani. “Diamons” de Rihanna e “Expertise” de Jennifer Lopez. O que têm em comum estas canções? Foram todas escritas ou co-escritas pela cantora, compositora e produtora de videoclips australiana Sia Furler.

Como é que o faz? A própria explica o processo, em entrevista à Rolling Stone.

A [composição da] melodia é o que vem primeiro, e [para o compor] é preciso sentir que ela [a pessoa para quem escreve o tema] o pode cantar. Depois tenho de escolher um conteúdo para as letras que faça sentido, para essa artista em particular. É mais ou menos assim que o faço.”, diz.

Sia, que lançou no final do passado mês de janeiro o seu sétimo álbum a solo, tem um passado conturbado: foi-lhe diagnosticada bipolaridade, teve problemas de alcoolismo, de abuso de drogas e chegou mesmo a tentar o suicídio em 2010, tendo sido travada por uma amiga. Problemas que se devem à sua própria personalidade mas também à sua vida de artista, conforme a própria confessou em 2014 ao The New York Times:

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Quando estás num sítio diferente todos os dias, há este tipo de loucura que se instala. É fácil perderes-te em ficar pedrada, porque toda a gente está a beber na estrada [em digressões]. Nenhum dos meus amigos pensou que eu podia ser alcoólica, nem eu mesma pensei” que o fosse, recorda.

As excentricidades, contudo, não se limitaram ao estilo de vida. Como relata o jornal The New York Times, Sia chegou a recusar promover o seu trabalho (através de entrevistas e aparições em rádios e televisões do país), não acedeu ao pedido do jornal norte-americano para tirar uma fotografia para incluir no artigo citado, pousou na capa da Billboard com um saco de plástico na cabeça e chegou mesmo a surgir em concertos vestida de preto e com uma máscara na cara. Tudo para não mostrar o rosto.

Apesar do seu sucesso, Sia Furler tem sentimentos contraditórios sobre a música pop, inclusivamente sobre a que compõe: como contou à revista Rolling Stone em dezembro de 2015, Sia considera que os temas que compõe são, na sua maioria, “terrivelmente, terrivelmente foleiros“. “Nunca tive a intenção nem quis que aquelas canções [que compôs ou ajudou a compor para outros] vissem a luz do dia, porque senti que diluíam a minha credibilidade, por as achar muito foleiras. Queria que outras pessoas as cantassem, e queria receber os cheques dos direitos de autoria no final do dia”. Um sentimento que afirmou querer combater:

Pensei: porque é que não descontrais, sua idiota? O que consideras foleiro está realmente a ter um impacto em crianças por todo o mundo. Porque é que não paras de ser tão crítica?”, conta, num diálogo que diz ter tido consigo própria

O seu trabalho, contudo, permitiu-lhe afastar-se dos seus outros vícios. “Focus. Workaholism [vício do trabalho]. Essa é a minha nova jam“, disse em 2014. Abaixo, fica uma playlist com alguns dos temas que Sia compôs ou ajudou a compor para grandes estrelas pop. E ainda abaixo fica uma das músicas que compôs para si mesma e de que diz mais gostar (por isso mesmo, conta, “não o quis dar a mais a ninguém): “One Million Bullets”.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.