Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os polvos estão entre os animais mais inteligentes da criação. São curiosos, têm memória, capacidade de aprendizagem, manifestações de pensamento conceptual, olhos estrutural e funcionalmente semelhantes aos dos humanos. Além disso, e entre outras qualidades, conseguem mudar de forma para escapar a armadilhas e possuem uma capacidade mimética superior à dos camaleões. E entre todos os animais invertebrados, são os únicos que brincam. Não admira, por isso, que no novo filme animado da Pixar, “À Procura de Dory”, a continuação de “À Procura de Nemo”, um polvo rabugento e interesseiro mas de bom coração (aliás, de três bons corações, porque esta é a quantidade de corações que os polvos têm) chamado Hank “roube” o filme à sua heroína, a azougada peixinho azul fêmea Dory, tal como ela “roubava” o protagonismo do original a Nemo, o pequeno peixe-palhaço.

[Veja o “trailer” de “À Procura de Dory”]

https://youtu.be/UGWv91YZua4

Hank, que tem a voz de Ed O’Neill (da divertida embora politicamente corretíssima série “Uma Família Muito Moderna”) , é um dos residentes do Marine Life Institute da Califórnia, parte oceanário, parte clínica e centro de investigação de animais marinhos, onde Dory, que continua a ter memória curta, embora menos do que em “À Procura de Nemo”, e anda em busca dos pais, vai parar, acompanhada por Marlin e Nemo. E ao procurar ajudar Dory, Hank revela toda a iniciativa, mobilidade, capacidade de camuflagem, resistência e rapidez de pensamento e reação de um soldado de uma força de elite. Que digo eu? De um herói de carne e osso do cinema de imagem real. Hank é o equivalente oceânico, animado e digital do Ethan Hunt de Tom Cruise dos “Missão: Impossível”. Com a vantagem de ser melhor ator do que ele.

[Veja a entrevista com Ed O’Neill e Ellen DeGeneres]

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Passado um ano depois dos acontecimentos de “À Procura de Nemo”, e realizado por Andrew Stanton e Angus MacLane, um animador da casa promovido a co-realizador, que sucede a Lee Unkrich, “À Procura de Dory” não tem a originalidade, o arrojo e o brilho conceptual de “Divertida Mente”, a anterior longa-metragem animada da Pixar. Joga pelo seguro, repetindo o padrão narrativo de “À Procura de Nemo”, pois agora é Dory a fazer o que Marlin fez no filme de 2003, e cultivando os mesmos temas deste, bem como os que a Disney tradicionalmente acarinha: a importância da família, o valor da amizade e da entreajuda, o elogio da persistência, da vitória sobre as insuficiências e da superação das deficiências (basta recordar “Dumbo”). E felizmente, o filme fá-lo sem sublinhar a traço grosso nem forçar (demais) os sacos lacrimais.

[Veja a entrevista com o realizador Andrew Stanton]

A segurança de ir por caminhos já trilhados escolhida pelos autores de “À Procura de Dory” é compensada, como é de rigor na Pixar, pela excelência técnica, visual e expressiva, da animação computacional, pelo fino sentido de humor e pela comédia em repuxo contínuo, pela qualidade das interpretações vocais (praticamente todos os atores repetem as personagens de “À Procura de Nemo” – vão ver a versão original, nunca é demais insistir). E, claro está pela riqueza, variedade e potencial cómico das personagens secundárias e sua caracterização.

[Veja os bastidores da criação do filme]

Além do citado polvo Hank, a nova “estrela” da animação da Pixar, que até tem direito a destaque na ficha técnica final, há, entre outros, dois leões-marinhos “cockney” (e um terceiro apanhado dos carretos, que não fala), um tubarão-baleia fêmea cegueta, uma beluga com nervoso miudinho e o sonar interno em “panne”, e um mergulhão-fêmea zarolho chamada Becky que, se fosse uma companhia aérea, ia à falência no primeiro dia de funcionamento. A tradicional curta-metragem de complemento, “Piper”, de Alan Barillaro, cumpre simpaticamente e está em sintonia com o ambiente marinho do filme principal. Na altura em que escrevo, “À Procura de Dory” já lucrou, só nos EUA, 156 milhões de dólares em quatro dias de exibição, prevendo-se que se torne num dos filmes com maiores receitas deste verão, e de 2016. “La Mer” é de certeza a canção favorita da Disney e da Pixar este ano.