Futebol

Fenerbahçe confirma que despediu Vítor Pereira e acusa-o de “fugir da Turquia”

120

O clube turco emitiu um comunicado onde confirma o despedimento de Vítor Pereira, acusa-o de "fugir" e de ter desrespeitado sistema tático planeado. O treinador já se tinha queixado de "ameaças".

Vítor Pereira, ex-técnico do FC Porto, tornou-se treinador do Fenerbahçe na época de 2015/16

HUGO DELGADO/LUSA

O Fenerbahçe confirmou num comunicado emitido nesta segunda-feira que despediu o treinador português Vítor Pereira de forma unilateral, onde acusou o antigo técnico do Futebol Clube do Porto de “fugir da Turquia” juntamente com a sua equipa técnica.

“Vítor Pereira e a sua equipa técnica, à exceção do treinador de guarda-redes, saíram da Turquia a 13 de agosto de 2016″, lê-se no comunicado, onde o clube turco se queixa de que “nesse mesmo dia, Vítor Pereira falou com os media portugueses e disse coisas negativas sobre o nosso clube”.

Na versão dos acontecimentos apresentada pelo clube, o desentendimento entre a direção do Fenerbahçe e Vítor Pereira terá sido causada por uma alteração tática feita pelo treinador e que estaria fora daquilo que fora combinado entre as duas partes. “No início da época, a nossa direção discutiu com Vítor Pereira o planeamento da época e do sistema tático. Depois, fizemos transferências de acordo com esse plano”, lê-se naquele documento.

Vítor Pereira terá desrespeitado o acordo com a direção quando alinhou no jogo contra o AS Monaco — na ronda de qualificação para a Liga dos Campeões — em 3-5-2. O clube turco acabou por ser eliminado daquela competição após uma derrota em casa por 2-1 e outra por 3-1, no campo do AS Monaco.

“Queríamos uma explicação oficial de Vítor Pereira sobre estas coisas. Mas ele escolheu fugir da Turquia”, acusa o clube, que no sábado disse que ia “tomar medidas legais” contra o técnico português. No comunicado desta segunda-feira, reforça essa intenção, referindo vai apresentar o caso à FIFA e ao Tribunal Arbitral do Desporto.

O Observador tentou entrar em contacto com Vítor Pereira, sem sucesso.

No sábado, 13 de agosto, Vítor Pereira emitiu um comunicado, publicado pelo jornal Record. “Na sequência da derrota com o AS Monaco, o Fenerbahçe decidiu impedir-me de exercer a minha função como treinador principal, não respeitando o meu contrato de trabalho”, lia-se no documento.

Vítor Pereira disse ainda que viajou para Portugal “devido a ameaças e a um ambiente tenso”. “Viajo para Portugal na expectativa de que o Fenerbahçe me volte a atribuir a função de treinador principal. Os meus assistentes seguem o meu caminho pelas mesmas razões. Cabe ao Fenerbahçe tomar uma decisão”, disse, para finalizar.

Dick Advocaat já chegou a Istambul para treinar o Fenerbahçe

O clube turco acabou por terminar o seu contrato com o técnico português. Esta segunda-feira, o Fenerbahçe anunciou que o seu próximo treinador será o holandês Dick Advocaat, que já chegou a Istambul. O trabalho mais recente de Dick Advocaat foi o de treinador-adjunto da seleção holandesa, sob o comando de Danny Blind. Este, tomando conta da notícia, disse à Reuters que estava “chocado e desiludido” com a opção do técnico holandês.

“Quando eu abordei o Dick no ano passado para ser adjunto ele deu-me a ideia de queria sê-lo a longo prazo. Mas temos de andar para a frente, a partir de agora o mais importante são os nossos jogos contra a Grécia e a Suécia”, disse Danny Blind à Reuters.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)