Os artistas plásticos Júlio Pomar e Julião Sarmento vão reunir obras de pintura e desenho na exposição “Void”, que é inaugurada esta quinta-feira, às 18h30, no Atelier-Museu Júlio Pomar, em Lisboa.

Com curadoria de Sara Antónia Matos, esta mostra insere-se no programa de exposições do Atelier-Museu, que procura cruzar a obra de Júlio Pomar com a de outros artistas, de modo a estabelecer novas relações entre a obra do pintor e a contemporaneidade.

A exposição “Void” – pensada como uma intervenção específica – vai reunir obras destes dois artistas de diferentes gerações: Julião Sarmento, 67 anos, vai apresentar peças sobre tela e sobre papel, com variadas referências literárias, sem qualquer figuração; Júlio Pomar, 90 anos, mostra sobretudo pinturas e desenhos, realizados na década de 1960, como, por exemplo, os dedicados ao Metro de Paris.

De acordo com o museu, as obras exploram o conceito de “Void”, termo inglês que “pode ser entendido como um espaço vazio ou esvaziado, algo que desaparece no espaço, que é vivido como perda ou privação; uma lacuna ou abertura; uma vaga ou um vácuo”.

No decurso da exposição, será publicado um catálogo com edição do Atelier-Museu Júlio Pomar/Documenta, reunindo textos de Sara Antónia Matos, Alexandre Melo e Pedro Faro, e imagens das obras instaladas no espaço.