U2

U2 celebram 30 anos de “Joshua Tree”, álbum que os empurrou para a fama

141

Os U2 celebram 30 anos de "The Joshua Tree" esta quinta-feira, o álbum que os empurrou para a fama e que vão recuperar numa digressão mundial que começa em maio.

ALESSANDRO DI MARCO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os U2 celebram na quinta-feira os 30 anos de “The Joshua Tree”, o álbum que os empurrou para a fama e que vão recuperar numa digressão mundial que começa em maio. Esta quinta-feira, para assinalar a data, os músicos Bono, The Edge, Adam Clayton e Larry Mullen Jr. vão estar ‘online’, na página oficial dos U2 no Facebook, para responder a perguntas dos fãs, a propósito do álbum.

“The Joshua Tree” é o quinto disco de carreira e reúne três dos maiores sucessos do grupo: “Where the streets have no name”, “I still haven’t found what I’m looking for”, de inspiração gospel, e “With or without you”. No ‘site’ oficial estão reunidas as estatísticas de sucesso do disco: Vendeu mais de 20 milhões de cópias, valeu-lhes os prémios Grammy de álbum do ano e melhor atuação rock e colocou-os no topo das tabelas de vendas e na capa da revista Time, onde tinham estado antes os Beatles, The Band e The Who.

A reação dos fãs deu um salto enorme e a atenção da comunicação social rebentou a escala. (…) Andávamos entusiasmadíssimos, mas espantados com o que nos estava a acontecer. Comecei a aperceber-me de que já não éramos meros músicos”, recordou o baterista Larry Mullen Jr., no livro biográfico “U2 by U2”, editado em 2006.

Produzido por Daniel Lanois e Brian Eno, e gravado em Dublin, o disco espelhava a interpretação que Bono fazia então do mundo e a vontade do grupo em olhar para os Estados Unidos. “The Joshua Tree” começou por ter o título de trabalho “The Two Americas”. “Apaixonei-me pela literatura americana ao mesmo tempo que tomava consciência do perigo que a política estrangeira norte-americana podia ter nos países à sua volta, com a aniquilação brutal dos sandinistas. Comecei a ver duas Américas, a América mística e a verdadeira América”, diz Bono naquele mesmo livro.

Em “U2 by U2”, no qual os quatro músicos falam detalhadamente sobre a carreira, o guitarrista The Edge recorda que a ideia era fazer um “‘disco cinematográfico’, onde cada música projetasse um local e um momento (…). A paisagem do sudoeste americano e do deserto tornou-se um tema lírico recorrente”. E o baixista Adam Clayton acrescenta: “Dar ao álbum o nome ‘The Joshua Tree’ foi, de certa forma, um reconhecimento da influência que a cultura americana teve nos U2. A América estava ter um impacto sobre nós maior do que aquele que alguma vez poderíamos ter sobre ela. Vindos da Irlanda, o único espetáculo na cidade era aquele que acontecia na América”.

Para interligar a música e a letra com a paisagem que o grupo estava a tentar evocar, decidiu-se que a capa do disco teria de mostrar um deserto. Rumaram aos Estados Unidos, com o fotógrafo e realizador Anton Corbijn, e fizeram uma sessão em Death Valley, no deserto de Mojave, na Califórnia. “Lembro-me de todo esse período como sendo um momento de consciência, no sentido de que encarámos a fama de forma séria, fingindo que não a queríamos, que era uma intrusão e que não nos iria mudar. É tudo mentira. Nós quisemos a fama”, admitiu Bono naquela autobiografia.

Trinta anos depois, os U2 preparam-se para tocar, pela primeira vez na íntegra, as 11 canções de “The Joshua Tree”, numa digressão que começa a 12 de maio em Vancouver (Canadá), seguindo-se datas nos Estados Unidos e na Europa. Portugal continua de fora desta digressão. Nesta ’tour’, o grupo fará um concerto a 22 de julho em Croke Park, em Dublin, cidade onde o grupo se formou em 1976 e onde nasceu “The Joshua Tree”.

Em janeiro, o grupo anunciou que se dedicaria a celebrar “The Joshua Tree” e que adiaria, possivelmente para o final do ano, a edição de um novo álbum, “Songs of Experience”. Em entrevista à Rolling Stone, The Edge afirmou que a decisão foi tomada depois de o grupo perceber que “o mundo é um lugar diferente”, numa alusão à eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos. Quanto aos concertos da digressão de “The Joshua Tree”, Bono diz o que espera: “Que seja uma noite transcendente de rock n’roll” e que seja uma oportunidade para espetadores e músicos se questionarem “o que é ser, nos dias de hoje, americano ou europeu”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)