O clube italiano AC Milan foi vendido ao grupo de investidores chineses do Rossoneri Sport Investment Lux por 740 milhões de euros, depois de alguns adiamentos. O anúncio oficial foi feito esta quinta-feira, pela Fininvest, a ‘holding’ de Silvio Berlusconi, e pelos compradores, e chega oito meses depois do acordo de venda ter sido celebrado.

“Os termos do acordo são os mesmos que foram divulgados em agosto e refletem uma avaliação do clube em 740 milhões de euros que inclui a dívida do clube avaliada em 220 milhões de euros, a 30 de junho de 2016” e ainda mais 90 milhões para outros custos de funcionamento, lê-se no comunicado conjunto da Fininvest e da Rossoneri Sport Investment Lux, publicado no site do AC Milan.

No anúncio está também escrito que os investidores chineses confirmaram a intenção de fazer aumentos “significativos” de capital e injetar liquidez no clube.

Mas há uma nuance face a agosto. É que naquela altura, a Fininvest tinha dito que a venda seria feita aos chineses da Sino-Europe Sports Investment Management Changxing Co. Ltd.

O fecho do negócio foi adiado por duas vezes, em dezembro de 2016 e março deste ano, e, quarta-feira, o empresário Yonghong Li viajou até Milão para fechar a compra.