Rádio Observador

História

E se o Ramalhete de Madonna for o mesmo dos Maias?

376

A casa central da obra de Eça está de volta. Desta vez porque pode ser a nova casa da rainha da pop. Carlos Maria Bobone recorda as histórias e as confusões do palácio das Janelas Verdes.

Autor
  • Carlos Maria Bobone
Mais sobre

Se no romance queirosiano a casa tem uma aura trágica que presencia dois horrores familiares, no imaginário contemporâneo a grande tragédia é mesmo a confusão. Eça não dá ao palácio um número preciso, um 202 nos Campos Elísios que identifique a fachada de uma casa; não topografa com precisão de geógrafo uma paisagem, de tal maneira que se reconheça Tormes mesmo quando o nome é outro; não, o Ramalhete é na Rua São Francisco de Paula, pelas Janelas Verdes, sem número (mesmo que, à época, não existisse também 202 nos Campos Elísios), o que permite à imaginação perder-se em exegéticas conspirativas.

O mote para a confusão, porém, está lançado muito antes. Cândido de Figueiredo, no princípio do século, aproveita o nome do famoso Palácio dos Maias para um esclarecimento de português: o nome Ramalhete, já de si, é confuso. Afinal, a raiz da palavra está em Ramalho, a que se acrescenta o sufixo – ete. Ramalho, porém, é apenas um aumentativo de ramo, enquanto “ete” é tradicionalmente um sufixo diminutivo. O nome seria, assim, já indicativo da confusão: significaria um ramo grande pequeno, pelo que, a bem da clareza, a casa deveria chamar-se Ramilhete (com dois diminutivos) ou, purgada dos volteios onomásticos, simplesmente Ramo.

Se o problema fosse apenas este, o malfadado palácio poderia descansar em paz. A confusão topónima porém, verteu para a geografia. A ideia de identificar o palácio, além de divertida, permite algum aproveitamento turístico. Aos pares românticos a quem não arrepiar a partilha do leito com os amores proibidos de Carlos e Maria Eduarda, a ideia de pernoitar na musa de Eça de Queirós pode ser atraente.

A busca começou, então. O caso mais famoso é o que agora albergará Madonna. Na Rua das Janelas Verdes, um Hotel decidiu crismar-se com o nome de Palácio Ramalhete. A segurança é tal que, na descrição que aparece no site, o Hotel usa as palavras de Eça, não como um simples verbete, não como uma possível inspiração, mas introduzidas por “Eça de Queirós descreveu o palácio da seguinte forma:”. O ónus da prova é magnificamente invertido, já não se trata do palácio poder corresponder à descrição, mas de um problema de estilo queirosiano: Eça quis descrever o Ramalhete, aquele é o Ramalhete, se a descrição não corresponde é porque Eça descreveu mal, permitiu a si próprio umas veleidades imaginativas, que podemos tolerar, mas que não põem em causa que este seja o Ramalhete.

É também dito que o palácio pertence à Família Taborda, que tem os títulos de Conde da Póvoa e Duque de Palmela, para acrescentar uma pátina ainda mais elegante à casa. Acontece, porém, que a pesquisa genealógica está ao nível da literária. Os Condes da Póvoa e Duques de Palmela mantêm, desde o famoso D. Pedro, o apelido Sousa e Holstein. Mesmo com quebras de varonia, uma pesquisa rápida não encontra Tabordas entre os costados mais próximos dos Condes da Póvoa e Duques de Palmela.

É dito, também, que Eça seria amigo próximo destes Tabordas (o que justificaria o conhecimento do palácio); e se, de facto, na ascendência dos Palmelas há grandes amigos de Eça – mas Arnosos, não Palmelas – em matéria de amizade há outro candidato a Ramalhete com uma posição muito mais forte.

As Janelas Verdes, mais do que uma verdadeira localização de um palácio, representam, da forma em que Eça é mestre, um tipo social. Entre os vários lugares típicos de palácios, não são nem a Junqueira, já muito afastada e em que alguns dos novos-ricos edificavam os seus palácios, nem a parte antiga da cidade, incómoda e mais degradada. As Janelas Verdes são um lugar de famílias antigas mas com viço e preponderância social. Interessa, portanto, para a inserção social dos Maias, a situação exterior na rua das Janelas Verdes.

A descrição do Palácio, porém, parece estar mais baseada, com as largas liberdades permitidas pela imaginação, no Palácio Sabugosa, em Alcântara (em frente à sede da Carris). Afiança-o Campos Matos no seu Roteiro da Lisboa Queirosiana, e a amizade de Eça com o Conde de Sabugosa torna-o plausível. O palácio, construído ainda no século XVI como uma quinta, tinha sido remodelado ainda no século XVII pelo primeiro conde de Sabugosa e é, ainda hoje, a casa da família que o construiu.

Ora, o 9º Conde de Sabugosa, António Maria de nome próprio (coisa que de pouco adianta, dado que é um dos nomes tradicionais da família), além de partilhar o ofício com Eça – escritor de alguns romances curiosos, como Neves de Antanho, de biografias e de uma monografia sobre Sintra – era também ele um distinto comensal do grupo dos vencidos da vida. Eça foi editor dele na Revista de Portugal e ele próprio foi, também, um editor distinto. Na sua preciosa biblioteca (que ainda hoje é famosíssima), encontrou livros perdidos de Gil Vicente e de António Ribeiro Chiado que trouxe novamente a público.

O Conde de Sabugosa, ao que parece, era conhecido, entre outras coisas, pela sua surdez. Ao que parece, devia ser conhecido também pela falta de visão. Tivesse escrito, não sobre o Paço de Sintra, mas sobre o do Ramalhete e, quem sabe, teria hoje a Madonna à perna.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)