Cinema

“Chama-me pelo Teu Nome”: um amor clandestino na Itália dos anos 80

O filme de Luca Guadagnino sobre um romance entre um adolescente e um homem mais velho mais não faz que inverter a situação de um formato tradicional do cinema. Eurico de Barros dá-lhe duas estrelas.

Autor
  • Eurico de Barros

O que têm em comum filmes como “King, Queen, Knave”, de Jerzy Skolimowski, “Verão de 42”, de Robert Mulligan, “Pecado Venial”, de Salvatore Samperi, e “Love Lessons”, de Bo Widerberg? Todos eles contemplam o mesmo tema: um adolescente é iniciado no amor e no sexo por uma mulher mais velha, quase sempre no espaço de um Verão, e servindo-lhe de introdução à idade adulta. É uma fantasia sexual recorrente no cinema, que a tem tratado quer com pudor, quer com picante, ora como drama ora como comédia, com maior ou menor carga erótica. “Chama-me pelo Teu Nome”, de Luca Guadagnino (“Eu Sou o Amor”, “Mergulho Profundo”), volta a glosar este tema. Agora com a diferença da situação ser homossexual em vez de heterossexual, envolvendo um rapaz de 17 anos e um homem com vinte e muitos.

[Veja o “trailer” de “Chama-me Pelo Teu Nome”]

O filme adapta parte do livro homónimo do escritor egípcio André Anciman, publicado em 2007 (a outra parte, em que os dois protagonistas são mais velhos e um deles está casado e tem filhos, vai também ser levada à tela por Guadagnino) e tem argumento do realizador James Ivory, autor de fitas como “Quarto Com Vista Para a Cidade” ou “Regresso a Howard’s End”. Ivory ia realizar “Chama-me Pelo Teu Nome”, mas foi Luca Guadagnino, há vários anos associado ao projecto como colaborador, quem acabou por agarrar no filme, rodado na Lombardia, onde vive. Ainda quis fazê-lo a meias com o próprio Ivory, mas este declinou e chamou a si apenas os créditos de argumentista e produtor.

[Veja a entrevista com o realizador Luca Guadagnino]

O protagonista é Elio (Timothée Chalamet), um jovem intelectualmente precoce e com talento para a música, que está a passar as férias de Verão, no início da década de 80, com os pais, na sua casa de campo. O pai é um prestigiado professor de Arqueologia e a mãe uma intelectual distinta, e a família vive num ambiente de conforto, privilégio, cultura e erudição, onde se fala inglês, italiano, francês e alemão. Todos os anos, o pai de Elio selecciona um estudante recém-formado para ser seu assistente durante o Verão. E assim surge Oliver (Armie Hammer), um americano bonito e atlético, que cai de imediato nas graças dos pais de Elio, dos amigos e amigas destes e até dos habitantes da vila, e com o qual o rapaz embirra, virando-se para Marzia, com a qual tem um namorico. Só que lentamente, Elio começa a sentir-se atraído por Oliver. (Num filme feito há 20 ou 30 anos, Oliver seduziria a balzaquiana mãe de Elio e não o filho).

[Veja a entrevista com os dois actores principais]

O facto de estarmos nos anos 80, quando a atitude social para com a homossexualidade e a sua visibilidade quotidiana e mediática eram o oposto de agora, frisa a ideia de clandestinidade que envolve a história do filme, sensualmente fotografado pelo tailandês Sayombhu Mukdeeprom, colaborador de Apichatpong Weerasethakul e que trabalhou em “As Mil e Uma Noites”, de Miguel Gomes. Mas a verdade é que, tirando a orientação sexual das personagens, tudo o resto está aqui conforme a convenção do formato, desde o ambiente idílico e a languidez estival, que atiçam o desejo e convidam ao envolvimento carnal, à forma hesitante e desajeitada como a parte mais nova se envolve na relação. Guadagnino faz referências à estatuária grega clássica, numa caução “cultural” e erótica tão óbvia como estereotipada, e evita nudez frontal e sequências íntimas mais explícitas (há, no entanto, uma sequência involuntariamente risível de masturbação com um pêssego).

[Veja uma cena do filme]

Timothée Chalamet, que veremos em breve em “Lady Bird”, de Greta Gerwig, e acabou de fazer o novo Woody Allen, “A Rainy Day in New York” sai-se bastante bem como Elio, transmitindo a mistura de desejo, confusão, retracção e euforia da personagem perante o que está a sentir e a viver. Já Armie Hammer, um canastrão bem-parecido, não passa no papel de Oliver. A bota erudita e intelectual da personagem não dá com a perdigota do seu ar de jogador de futebol americano bronco. Mas se há uma figura inverosímil em “Chama-me Pelo teu Nome”, é o pai de Elio, interpretado por Michael Stuhlbarg. Impossivelmente compreensivo e incomensuravelmente tolerante até para os dias de hoje, quanto mais para os anos 80, este pai é a personagem mais idealizada e mais fantasiosa desta afectada e inócua variante homossexual do “coming of age movie” heterossexual clássico.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)