Museu do Chiado

Fotografias menos conhecidas de Carlos Relvas em exposição hoje no Museu do Chiado

Fotografias do fotógrafo amador Carlos Relvas (1838-1894), que permitem revelar novas facetas da fotografia portuguesa de oitocentos, vão estar em exposição, no Museu do Chiado, em Lisboa.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Fotografias menos conhecidas do fotógrafo amador Carlos Relvas (1838-1894), que permitem revelar novas facetas de questões fundamentais da fotografia portuguesa de oitocentos, vão estar em exposição a partir de hoje, no Museu do Chiado, em Lisboa.

De acordo com o Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, a exposição – com cerca de 300 imagens distribuídas por dez núcleos – tem inauguração marcada para as 19:00, ficando aberta ao público a partir de quinta-feira, até 20 de janeiro de 2019.

Intitulada “Carlos Relvas (1838-1894). Vistas Inéditas de Portugal. A Fotografia nos Salões Europeus”, a exposição tem curadoria de Victor Flores, Ana David Mendes, Denis Pellerin e Emília Tavares. Considerado um dos fotógrafos amadores mais reconhecidos na história da fotografia portuguesa do século XIX, Carlos Relvas mantém ainda muito por descobrir, segundo os investigadores.

Esta exposição teve como ponto de partida um projeto de investigação (CICANT — Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias) dedicado ao estudo da fotografia estereoscópica de Carlos Relvas, e à importância dos seus primeiros anos de atividade como fotógrafo, entre 1862 e 1874, um dos períodos menos conhecidos do autor.

Para o seu estudo “foi decisivo o cruzamento das imagens do arquivo da Casa-Estúdio Carlos Relvas com as coleções de cinco instituições e de vários particulares, revelando um conjunto considerável e inédito de provas originais em albumina”, sublinha o Museu do Chiado, em comunicado sobre a exposição.

Este levantamento permitiu a redescoberta de retratos e de vistas de Portugal, que “testemunham uma prática rigorosa de diferentes técnicas, géneros e formatos fotográficos, dando uma configuração mais ampla e dinâmica” ao primeiro período da obra fotográfica de Carlos Relvas.

Organizada em dez núcleos principais, a exposição destaca a primeira presença de Carlos Relvas na exposição da Sociedade Promotora de Belas Artes, em 1868, e a sua internacionalização, com a participação nas exposições de alguns dos principais salões fotográficos europeus, como a reputada Société Française de Photographie, a Exposição Universal de Viena e a Exposição Nacional de Madrid.

A partir do seu trabalho deste período, “é possível aprofundar e revelar novas facetas de algumas das questões fundamentais da fotografia portuguesa de oitocentos”. Carlos Relvas começou por fotografar o que lhe era próximo e familiar. Os temas predominantes no primeiro período da sua atividade fotográfica foram a sua família, a Golegã e o seu primeiro estúdio.

As relações de cumplicidade de Carlos Relvas com alguns dos mais importantes pintores deste período, permitiram delinear, pela primeira vez, a natureza do diálogo entre a fotografia e a pintura do século XIX português. Trata-se do resultado da investigação de um autor e de uma época, com o apoio do Museu do Chiado, na produção e divulgação de projetos inéditos para o conhecimento da história da fotografia em Portugal.

A exposição possui dez núcleos: “Fotografia e Património”, “Fotografia e Belas-Artes”, “Os Salões de Fotografia Europeus”, “As Primeiras Fotografias”, “Na Câmara Escura”, “As Séries Estereoscópicas e a Paisagem”, “Atelier Relvas — Uma Reconstituição”, “Imagens Resgatadas” e “A Casa Estúdio” e “Novas Técnicas”.

Inclui ainda diversa documentação – álbuns de fotografia, publicações fotográficas de época – material fotográfico, e material de estúdio, bem como dez pinturas criadas por Ferreira Chaves, José Malhoa, Guilhermina Reis, Francisco José Resende e José Rodrigues, entre outros.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)