Rádio Observador

Vhils

Vhils ofereceu obra para leilão em Londres de apoio à saúde mental masculina

409

Alexandre Farto é um dos nove artistas urbanos que produziram obras para um leilão em Londres a favor da Fundação Movember e do trabalho na área da saúde mental masculina e prevenção do suicídio.

Tiago Petinga/LUSA

O artista português Alexandre Farto, que assina como Vhils, é um dos nove artistas urbanos que produziram obras para um leilão em Londres, a favor da Fundação Movember e do trabalho na área da saúde mental masculina e prevenção do suicídio.

Em parceria com a leiloeira Sotheby’s, a iniciativa foi conduzida pelo artista e galeria Dean Stockton, mais conhecido por D*Face, cujos murais de arte pop são comparados ao estilo observado nas telas de Roy Lichtenstein.

“Na sua essência, a arte urbana sempre procurou quebrar barreiras físicas e sociais. Da mesma forma, eu acredito plenamente que a Arte Urbana tem a capacidade de romper o estigma social da saúde mental dos homens e quebrar essa fronteira invisível que faz com que os homens mantenham os problemas para si mesmos”, disse, citado num comunicado.

Stockton revela que artistas como ele sofrem muitas vezes de problemas como isolamento e solidão, e que a arte urbana pode ser um catalisador para o debate sobre a saúde mental masculina. O seu trabalho, intitulado “Confortem os solitários”, que retrata duas figuras masculinas abraçadas, pretende abordar o assunto frontalmente para que inspire conversas entre amigos do sexo masculino em relação ao seu bem-estar mental. “Tanto pode ser alcançado em poucas palavras, alguém apenas precisa de começar a conversa”, referiu.

Vhils contribui com “Babel Series #10”, uma obra feita a partir de posters colados uns sobre os outros, e nos quais o artista talhou rasgos que, no conjunto, formam um olho humano. A peça tem um valor de venda estimado entre 6.000 e 8.000 libras (6.743 a 8.991 euros).

“Vhils usa cartazes encontrados nas ruas, que ele esculpe em retratos cativantes de pessoas. Com a contribuição dele para o grupo de solidariedade Movember, ele colocou em destaque o olhar de um observador anónimo, talvez referindo-se à necessidade de ‘ficar de olho’ nas pessoas em nosso redor”, comentou Boris Cornelissen, diretor adjunto da Sotheby’s e especialista em arte contemporânea, em declarações à agência Lusa.

Nascido em 1987, Alexandre Farto cresceu no Seixal, onde começou por pintar paredes e comboios com graffiti, aos 13 anos, tendo estudado mais tarde Belas Artes na universidade Central Saint Martins, em Londres. É reputado pelo uso de ferramentas como martelos pneumáticos para “escavar” retratos em paredes ou muros exteriores, tendo feito intervenções em Portugal, Tailândia, Malásia, Hong Kong, Itália, Estados Unidos, Ucrânia, Macau e Brasil.

Além de Vhils e D*Face, associaram-se à iniciativa Shepard Fairey, Jonathan Yeo, Ben Eine, Alexis Diaz, Okuda, Felipe Pantone e Conor Harrington.

As obras poderão ser vistas na galeria da Sotheby’s, em Londres, no âmbito da exposição “Contemporary Curated”, de 16 a 19 de novembro, antes de serem vendidas no leilão de arte contemporânea que vai realizar-se no dia 20 de novembro, em Londres, em paralelo com um leilão online que decorre até ao dia seguinte.

A Fundação Movember, cujo nome junta as palavras “moustache” e “november”, promove anualmente uma campanha durante o mês de novembro, quando apoiantes deixam crescer o bigode para sensibilizar para vários aspetos da saúde masculina, como o cancro da próstata e do testículo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)