Cultura

Museu Nacional da Música vai ser transferido por inteiro para o Palácio de Mafra

674

A notícia foi avançada pela própria ministra da Cultura, Graça Fonseca. Desta forma, a solução de um polo museológico bipartido proposta pelo anterior ministro Luís Castro Mendes, é descartada.

Graça Fonseca anunciou a medida numa conferência de imprensa em Mafra.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A ministra da Cultura anunciou esta quinta-feira, 31 de janeiro, em Mafra, que o Museu Nacional da Música vai ser instalado por inteiro no Palácio Nacional de Mafra, onde deve abrir ao público em 2021, alterando o modelo anunciado pelo seu antecessor.

Questionada pela agência Lusa, Graça Fonseca respondeu que “o Museu da Música não será dividido em dois espaços diferentes”, como anunciara o anterior ministro Luís Filipe Castro Mendes, e vai ser todo ele concentrado na ala norte do Palácio.

“O Museu Nacional da Música há 25 anos que está instalado numa estação do Metro, em Lisboa, e finalmente julgamos que encontrou o seu lugar em Mafra, pela fortíssima ligação à música”, salientou a governante.

A ministra da Cultura falava aos jornalistas no fim da assinatura de um acordo de parceria entre o Município de Mafra e a Direção-Geral do Património Cultural, para a instalação do Museu Nacional da Música em Mafra, no distrito de Lisboa.

O investimento é de três milhões de euros, sendo um milhão de euros financiados pela autarquia.

A ministra da Cultura afirmou que a transferência do museu para Mafra “faz todo o sentido”, pela ligação histórica de Mafra à música, pela necessidade de descentralizar a Cultura e pelas sinergias que aí podem ser criadas, “complementando” a oferta cultural do monumento, composto por seis órgãos históricos e por uma das bibliotecas mais ricas do país.

Graça Fonseca explicou que o projeto vai ser desenvolvido durante este ano, e espera que em “2020 seja possível começar a obra para, até ao início de 2021”, abrir o museu ao público naquela vila.

O presidente da câmara, Hélder Sousa Silva, lançou o repto à governante para, à semelhança de outras parcerias com o Governo, ser o município a elaborar o projeto, lançar o concurso público e fiscalizar as obras.

Graça Fonseca aceitou a parceria, para a qual vai ser necessário estabelecer um novo acordo.

“A instalação do Museu Nacional da Música representa uma oportunidade para inscrever este território na dinâmica do turismo cultural”, sublinhou o autarca.

A mudança para Mafra, a 40 quilómetros de Lisboa, tem sido alvo de críticas de diferentes setores.

O Museu, atualmente instalado na estação de Metropolitano do Alto dos Moinhos, em Lisboa, tem uma das mais ricas coleções da Europa de instrumentos musicais, com um acervo composto por mil instrumentos dos séculos XVI ao XX, de tradição erudita e popular.

Fazem também parte do museu vários espólios documentais, e coleções fonográficas e iconográficas do maior relevo.

Entre os instrumentos classificados como Tesouro Nacional estão os cravos Taskin, de 1782, recentemente restaurado, e o Antunes, de 1758.

O piano Boisselot, que o compositor e pianista Franz Liszt trouxe a Lisboa, em 1845, e o violoncelo de Antonio Stradivari, que pertenceu ao rei D. Luís, são outros tesouros do museu.

O violoncelo de Henry Lockey Hill, de Guilhermina Suggia, os violinos e violoncelos de Joaquim José Galrão, os clavicórdios setecentistas das oficinas lisboetas e portuenses são outros destaques da coleção, assim os raros cornes ingleses Grenser e Grundman & Floth, do final do século XVIII, e as flautas de Ernesto Frederico Haupt, de meados do século XIX, que são exemplares únicos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela
123

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)