Rádio Observador

Exposições

Fantasma da finitude atravessa a obra de João Onofre em exposição na Culturgest

153

"Once in a Lifetime [Repeat]" é a maior obra antológica já realizada sobre o trabalho de João Onofre. Mais de 20 anos estão reunidos em vídeo, fotografia e performances. Inauguração é às 22h.

A inauguração é esta sexta-feira, às 22h00, e inclui uma performance, às 22h30, com entrada gratuita

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O artista João Onofre inaugura esta sexta-feira, na Culturgest, em Lisboa, a primeira antologia da sua obra, “atravessada pelo fantasma da finitude”, a maior já realizada sobre o seu trabalho, percorrendo um período de mais de 20 anos.

A exposição intitula-se “Once in a Lifetime [Repeat]”, cobre um período entre 1998 e 2019, e ficará patente até 19 de maio, nas galerias da Culturgest, onde o curador da mostra, Delfim Sardo, apresentou as obras numa visita guiada aos jornalistas.

Não pretende ser uma retrospetiva, nem tem a pretensão de mostrar exaustivamente a obra de João Onofre”, disse o curador. Reúne trabalhos em vídeo, nomeadamente uma peça nova especificamente concebida para esta exposição, além de desenhos de diferentes séries, desde 2005, escultura, objetos, peças sonoras e performance.

De acordo com Delfim Sardo, a mostra procura ter a tónica nos trabalhos dos últimos 15 anos, com algumas incursões em peças mais antigas, e foi concebida em torno das ideias de recorrência e repetição estruturais no trabalho do artista.

É atravessada por preocupações inerentes ao seu percurso: a memória do conceptualismo, o fascínio pela música, bem como as grandes temáticas da arte desde o romantismo — a morte, a tragédia, o investimento pessoal, a juventude, o desempenho e o erro.

A exposição começa antes mesmo de o visitante entrar no edifício da Culturgest, onde está a “Box”, um cubo em aço que tem uma dimensão de 1,83 metros — a profundidade de uma sepultura — e que remete para a famosa escultura do artista Tony Smith, “Die”, que marcou a arte minimalista.

“A obra de João Onofre vive numa espécie de limbo entre um enorme romantismo, uma relação com o universo, e os grandes temas da História da Arte, como o amor, a morte, a falha”, descreveu Delfim Sardo na visita de apresentação, acrescentando que a ironia, muitas vezes presente no trabalho artista, torna-o “complexo”.

Nas salas expositivas, há vários vídeos criados por Onofre que remetem para a tensão das relações humanas, como aquele em que é mostrado um fragmento de um filme com Alain Delon e Monica Vitti, de Michelangelo Antonioni, “O Eclipse”, onde continuamente entrelaçam as mãos, ou o vídeo que mostra o músico Norberto Lobo a tocar uma das suas composições perto de uma falésia, debaixo de um grande guarda-sol, abanado pelo vento.

Progressivamente, são mostrados desenhos, como alguns das séries “Degradation” e “Running Dry”, onde surgem as ligações entre a cultura popular e erudita, a peça sonora com partes de gravações de Carlos Paredes, nas quais se ouve a respiração do músico, vários vídeos com performances no atelier do artista, nomeadamente o da levitação, ou da ação destrutiva de um abutre ali solto.

A peça criada propositadamente para esta exposição é o vídeo de uma performance que dura mais de duas horas e meia, e são mostrados um grupo de músicos, um coro de gospel e um grupo de jogadores de raguebi, que tentam, sem sucesso, dizer a frase da canção “I want to know what love is”, do grupo Foreigner, por serem continuamente atirados ao chão por algum dos jogadores.

Nascido em 1976, em Lisboa, onde vive e trabalha, João Onofre estudou pintura na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, fez um mestrado em Belas Artes no Goldsmiths College, em Londres, e estudou Arte Contemporânea no Colégio das Artes da Universidade de Coimbra.

O trabalho deste artista português tem vindo a ser apresentado em diferentes museus e galerias internacionais, nomeadamente no MoMA Contemporary Art Center, em Nova Iorque (2002), no Museu Nacional de Arte Contemporânea — Museu do Chiado, em Lisboa (2003), no Palais de Tokyo, em Paris (2011), e no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, em Lisboa (2017).

A inauguração realiza-se esta sexta-feira, às 22h00, e inclui uma performance, às 22h30, com entrada gratuita. No dia 16 de fevereiro, às 12h00, o artista realiza uma visita guiada à exposição.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)