Quando estava a trabalhar no meu primeiro livro, As Aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy, em 2007, passei algum tempo à procura de quem me pudesse ajudar a entender melhor o meio da BD em Portugal. Ora, havia um nome que surgia transversalmente — Geraldes Lino. Segundo diziam, “é com ele que tens de falar.”

Pouco tempo depois, conheci-o. Figura tão caricata como carismática — um bigode cinematográfico e um sorriso sincero –, tinha na sua voz aquela rouquidão que fazia com que cada frase parecesse um segredo. Era uma voz à Miles Davis — que fazia com que tentássemos ouvi-lo mais mais de perto e com mais atenção. No conjunto, diria mesmo que, quando se imagina o estereótipo do velho aficionado da BD, a imagem que surge não será muito distante da que tinha o nosso amigo Geraldes Lino.

Num meio pequeno há sempre muitas guerras, muitas cabeçadas, muitas inimizades. O Geraldes parecia estar por cima de todas elas — movia-o apenas uma coisa — uma paixão cega e uma dedicação absoluta à Banda Desenhada e aos fanzines: aliás, uma das coisas que mais o irritava era mesmo que se referissem a estes como “as” fanzines — raramente o vi tão irritado como quando cometiam esse erro.

Uma coisa era certa: se alguém tivesse alguma vez editado uma BD, podem ter a certeza que o Geraldes Lino sabia quem eram — fossem desenhadores da Marvel ou autores de um fanzine obscuro. Apesar do conhecimento enciclopédico que tinha, era fascinante ver como conseguia manter aquele brilho no olhar que vemos numa criança que lê a sua primeira história de quadradinhos.

Geraldes Lino por Juan Cavia: “Prometi que nunca mandaria um livro para a gráfica sem que por ele passasse primeiro”, escreve Filipe Melo

Quem era, então, este senhor?

Geraldes Lino nasceu em 1936, em Lisboa. Trabalhou na TAP — mas lembrá-lo como tal seria o mesmo que lembrar o guitarrista Carlos paredes pelo seu trabalho de arquivista de radiografias. Aliás, contava que, graças à TAP tinha ficado bastante surdo e rouco. Geraldes Lino, era, portanto e mais que tudo, um homem da Banda Desenhada. Era um colecionador, editor e divulgador da nona arte.

Divulgava-a através de um blog — DivulgandoBD — que atualizava com regularidade e onde dava destaque a todo o tipo de autores. Aliás, as caixas de comentários eram, às vezes, um verdadeiro campo de batalha. Mas, seráfico como um Dom Quixote, Geraldes Lino era sempre um elemento conciliador e generoso, que acreditava convictamente numa causa: que a BD era importante, que merecia a nossa atenção e respeito. Esse tipo de garra faz com que não fosse uma pessoa normal — era, de facto, uma pessoa extraordinária.

Devemos-lhe também a famosa Tertúlia de BD, realizada mensalmente no Parque Mayer, onde vim a conhecer muitos dos meus colegas. Aliás, uma homenagem do Lino nesta tertúlia era, para todos nós, um motivo de orgulho tremendo, era uma espécie de Oscar da BD no nosso país. A comunidade devolvia-lhe esse carinho com desenhos. Geraldes Lino é o nosso Stan Lee ao nível de tributos e “cameos” em livros de BD.

Desde então, prometi que nunca mandaria um livro para a gráfica sem que por ele passasse primeiro — tinha um olhar de lince para todo o tipo de erros, fossem gráficos ou ortográficos. Juntos, fizemos filmes (o Lino fez de traficante de droga num spot que realizei!), jogámos snooker, apresentámos livros.

[o spot para a Festa do Cinema Italiano, realizado por Filipe Melo, que conta com a participação de Geraldes Lino:]

É, por todas as razões, uma enorme tristeza despedir-me dele e uma gigante perda para a nossa pequena comunidade. Resta-nos homenageá-lo fazendo livros, fanzines, festivais, e mantendo viva uma chama que ele aguentou acesa durante tantos anos. Sejamos autores, leitores ou divulgadores, devemos-lhe muito.

Quando se apresentava, dizia que era apenas um “militante da banda desenhada”. Era bem mais do que isso. Quando contei a triste notícia aos meus colegas, ouvi a frase: “Que pena. Era uma pessoa muito luminosa.” E é verdade. Geraldes Lino era isso mesmo.

Resta-me agradecer-lhe e despedir-me dele com a expressão que lhe era tão querida: Saudações Bedéfilas!

Filipe Melo é, em conjunto com Juan Cavia, autor da série de BD “As Aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy” e dos livro “Os Vampiros” e “Comer Beber”