Rádio Observador

Vhils

Vhils inaugura exposição a solo em Xangai e leva festival Iminente àquela cidade

"Realm", que marca o regresso de Vhils à China, reúne "obras criadas durante estadias em Pequim e Xangai", que visam "ser representativas das vidas e das pessoas que dão forma a estas cidades".

A mostra estará patente de 23 de março a 25 de maio, na galeria Danysz, em Xangai

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O artista português Alexandre Farto (Vhils) inaugura este mês uma exposição a solo em Xangai, China, que reúne obras criadas durante estadias do artista naquele país, e a cidade também receberá um showcase do festival Iminente.

“Realm”, que marca o regresso de Vhils à China, onde tem desenvolvido trabalho regularmente desde 2012, reúne “obras criadas durante estadias em Pequim e Xangai“, e visa “ser representativa das vidas e das pessoas que dão forma a estas cidades, refletindo algo da [sua] essência mais profunda”, de acordo com o estúdio do artista, num comunicado hoje divulgado.

Nesta exposição, são apresentadas unicamente peças num só suporte, “placas de gesso básicas usadas na construção civil em qualquer parte do mundo”, no qual Vhils cria através da remoção de camadas.

Algumas peças que estiveram integradas na mostra individual de Vhils “Imprint”, patente em Pequim em 2017, estarão em “Realm” lado a lado com obras novas, “inspiradas diretamente em Xangai e nos seus habitantes, estabelecendo um diálogo entre as duas cidades”.

“Realm”, na qual o artista expõe “conjuntamente retratos e cenas urbanas”, dá “uma visão profundamente humanista das cidades onde criou as peças”.

A mostra estará patente de 23 de março a 25 de maio, na galeria Danysz. Uns dias antes, a 21 de março, “o Festival Iminente chega a Xangai para uma noite que reúne uma seleção de música pronta para conquistar o mundo”.

O ‘showcase’ do Iminente irá decorrer no Le Baron, um dos bares do artista André Saraiva, e inclui atuações de DJ Marfox (Portugal), DJ Shaka Lion (Brasil) e do colectivo de DJs Yeti Out (Hong Kong).

Vhils é um dos mentores do Festival Iminente, que junta música e arte, e que se realizou pela primeira vez em Oeiras, em 2016, passando depois por Londres, em 2017 e 2018, e Lisboa, onde decorreu pela primeira vez em setembro último, no Panorâmico de Monsanto, onde está irá manter-se até 2020.

Nascido em 1987, Alexandre Farto cresceu no Seixal, onde começou por pintar paredes e comboios com ‘graffiti’, aos 13 anos, antes de rumar a Londres, para estudar Belas Artes, na Central Saint Martins. Conhecido mundialmente pelos retratos que ‘escava’ em paredes, e noutros suportes, tem trabalhos em países e territórios como a Tailândia, Malásia, Hong Kong, Itália, Estados Unidos, Ucrânia, Macau e Brasil.

Em 2014, inaugurou a sua primeira grande exposição numa instituição nacional, o Museu da Eletricidade, em Lisboa: “Dissecação/Dissection” atraiu mais de 65 mil visitantes em três meses.

Esse ano ficaria também marcado pela colaboração com a banda irlandesa U2, para quem criou um vídeo incluído no projeto visual “Films of Innocence”, editado em dezembro de 2014, e um complemento do álbum “Songs of Innocence”.

Em 2015, o seu trabalho chegou ao espaço, através da Estação Espacial Internacional, no âmbito do filme “O sentido da vida”, do realizador Miguel Gonçalves Mendes.

Em junho de 2018, uma obra sua esteve em exposição no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa: retratos de três moradores do bairro 6 de Maio, na Amadora, que Vhils fez em colaboração com o investigador em Estudos Urbanos António Brito Guterres, que, nos últimos anos, tem desenvolvido trabalhos em vários bairros da periferia de Lisboa.

Além disso, em 2010, com a francesa Pauline Foessel, fundou a plataforma cultural Underdogs, que se divide entre arte pública, com pinturas nas paredes da cidade, exposições dentro de portas, no n.º 56 da rua Fernando Palha, em Lisboa, um antigo armazém recuperado e transformado em galeria, e a produção de edições artísticas originais.

A plataforma tem ainda uma loja, na rua da Cintura do Porto de Lisboa, que também exposições, e começou em 2015 a organizar visitas guiadas de Arte Urbana em Lisboa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)