Rádio Observador

Livros

Gandhi era racista, Einstein batia na mulher e Madre Teresa adorava dinheiro. Livro revela o lado negro de personalidades idolatradas

4.215

Escrito por dois jornalistas espanhóis, "O Clube dos Execráveis" revela facetas desconhecidas de algumas das personalidades mais idolatradas e intocáveis da história.

Ao todo, são 45 as figuras denunciadas no livro, que surge como uma continuação da rubrica radiofónica apresentada pelos autores na catalã RAC 1

Mahatma Gandhi (1869-1948) é o primeiro a ser desmascarado: “racista, belicista e pedófilo”, escrevem, em modo de resumo, os jornalistas Malcolm Otero e Santi Giméneza na abertura do capítulo dedicado ao pacifista indiano.

“Já é tempo de desfazer um dos maiores mitos da história do século XX. Uma das figuras mais irrepreensíveis e admiradas em todo o mundo, exemplo máximo da concórdia, da paz, do pacifismo e do amor entre os povos, e cuja memória e figura tanto servem para justificar uma ideia política como para dar nome a um restaurante. De uma fez por todas, descobriremos o que se esconde por detrás dos trapos de Gandhi”, continuam os autores de “O Clube dos Execráveis, o lado obscuro dos personagens mais idolatrados da humanidade” (ainda sem edição em português).

Ao todo, são 45 as figuras — todas mortas — denunciadas no livro, que surge como uma continuação da rubrica radiofónica apresentada pelos autores na catalã RAC 1. A premissa: apesar do que aparentemente se convencionou, nem todos os falecidos são bons — nem mesmo aqueles que durante anos (ou décadas) têm sido idolatrados e dados como exemplos de bondade ou genialidade.

Voltemos a Gandhi: segundo Otero e Giménez, o indiano terá escrito, nos tempos em que trabalhou como advogado na África do Sul, que a raça branca deveria ser a “predominante” naquele país; e que “os europeus tentam colocar os indianos ao nível dos negros, que a única coisa que sabem fazer é caçar e cuja única ambição é ter gado suficiente para comprar uma mulher”.

Como se não bastasse, também de acordo com os jornalistas espanhóis, já na fase final da vida o indiano-símbolo de paz terá ainda sido acusado de dormir com raparigas nuas, incluindo com a mulher de um dos seus sobrinhos, na altura com apenas 17 anos. Segundo o El País, que escreveu sobre o livro, o próprio Gandhi referir-se-ia a estes episódios como uma forma de colocar à prova a sua própria castidade.

Eis o que Malcolm Otero e Santi Giménez escreveram sobre outras cinco figuras figuras que se convencionou adorar, mas que afinal são tudo menos consensuais.

James Joyce (1882-1941)

O autor de Ulisses, garantem os jornalistas espanhóis, “era extremamente ciumento e humilhava constantemente a mulher, Nora Barnacle”. Prova disso serão as missivas enviadas pelo irlandês, compiladas em 1957 no livro “Cartas Escolhidas”, em que tanto trata a mulher de forma apaixonada e carinhosa, como lhe chama “pessoa ridícula”.

Elvis Presley (1935-1977)

“Elvis era um ser instável que passava o tempo que estava em rodagem drogado. Era viciado em anfetaminas e cocaína, que lhe permitiam manter o ritmo de trabalho, e em soníferos, que o ajudavam a dormir, apesar de todo o cocktail que metia no corpo”, dizem os espanhóis sobre o eterno rei do rock (que muitos acreditam que não está sequer morto).

Steve McQueen (1930-1980)

Será sempre um dos atores mais famosos do mundo, no seu tempo tornou-se no mais bem pago, foi seguramente também um dos mais assediados — para a posteridade ficou conhecido como “King of Cool”. Claro que vem aí um “mas”: “McQueen queria triunfar a qualquer custo e saía das rodagens sem amigos. Tinha a habilidade de transformar qualquer filme num inferno. Mas o pior era McQueen como pessoa. Estava muito agarrado ao peyote, à marijuana e à cocaína e traía a primeira mulher, Neile Adams”, acusam os autores do livro.

Albert Einstein (1879-1955)

É celebrado como uma das maiores sumidades da história, sinónimo de cérebro e de inteligência, mas, avisam os autores de “O Clube dos Execráveis”, “por detrás da sua cara de avô adorável escondia-se um homem frio, um marido agressivo e um misógino”, que tanto foi capaz de formular as mais intrincadas teorias como de proferir dislates como estes: “Muito poucas mulheres são criativas. Não enviaria a minha filha para estudar Física. Estou satisfeito por a minha nova mulher não saber nada sobre ciência”.

Madre Teresa de Calcutá (1919-1997)

Agnes Gonxha Bojaxhiu (assim se chamava a religiosa mais famosa da história, naturalizada indiana) dedicou a vida a ajudar os mais necessitados — e foi distinguida com o Nobel da Paz e canonizada por isso mesmo. Mas afinal, garantem Otero e Giménez, as suas missões eram “casas de morte” e os valores que defendia não seriam tão católicos assim. “Teresa de Calcutá acreditava que o sofrimento dos pobres era necessário, só aceitava o divórcio quando acontecia nas casas reais e adorava o dinheiro dos ricos”, acusam os jornalistas espanhóis.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereirinha@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)