Seis mil milhões de euros: é este o valor que os portugueses gastaram no ano passado em jogos de sorte e que corresponde a uma média de 16,4 milhões de euros por dia. Segundo o Jornal de Negócios, que soma as informações divulgadas pelo Departamento de Jogos da Santa Casa na passada terça-feira e os dados gerais, anunciados anteriormente pelo Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos (SRIJ), trata-se de um valor que representa cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB).

O Departamento de Jogos da Santa Casa anunciou mesmo um novo recorde nas vendas brutas de jogos sociais: 3.097 milhões de euros (cerca de metade de todo o dinheiro apostado pelos portugueses) e o SRIJ fala de um montante perto dos 2.431,8 milhões de euros referente às apostas online mais os 322,4 milhões de euros provenientes dos casinos e salas de máquinas e ainda os 54,35 milhões de euros provenientes da venda de cartões de bingo.

Desconstruindo o número da Santa Casa chega-se à conclusão que só as “raspadinhas”  foram responsáveis pela angariação de 1.594 milhões de euros, mais 7,2% que em 2017. Este tipo de jogos é já um dos mais populares  sendo responsável por mais de metade das vendas brutas dos jogos sociais, ou seja, os portugueses gastaram 8.5 milhões de euros todos os dias em raspadinhas em 2018. Já as apostas mútuas, por exemplo — que incluem o Euromilhões, M1lhão, Totoloto e Totobola –, desceram: arrecadaram apenas 908 milhões, menos 6,9% que o no ano anterior.

O Placard, sistema de apostas desportivas, foi outro dos jogos cujo volume aumentou em comparação com o período homólogo, registando um aumento no volume de apostas na ordem dos 4,9% (para 527 milhões de euros). Este ciclo ascendente foi também evidenciado na Lotaria nacional, que teve mais 69 milhões de euros e assim inverteu a tendência negativa dos anos anteriores.

E quanto é que tudo isto rendeu ao Fisco? Cerca de 180 milhões, revela a mesma Santa Casa. O valor em questão remete ao imposto de selo e divide-se em dois montantes distintos: 134 milhões que incidem sobre as vendas brutas e outros 46 milhões relativos aos prémios distribuídos. Estes dados revelam que houve um decréscimo na ordem dos 9,5% em comparação com os dados registados em 2017 (e que corresponde a 199 milhões de euros).