O projeto de intervenção social ‘Stand4Good’, desenvolvido em parceria com a Universidade do Porto e lançado esta quinta-feira, vai atribuir bolsas a 20 estudantes de licenciatura ou mestrado integrado que ultrapassam o limiar para a atribuição das bolsas sociais.

A associação ‘Stand4Good’ inicia hoje o seu trabalho com o lançamento de uma plataforma e de um projeto-piloto, com a mesma designação, que visa apoiar jovens universitários em “situação de vulnerabilidade” por via das circunstâncias de carências económicas em que vivem.

No atual contexto são muitos os jovens universitários que, fruto do impacto que a covid-19 está a ter na situação económica das famílias, veem a continuidade dos seus estudos comprometida, fator que contribui para o agravamento dos ciclos de pobreza e exclusão social na região Norte e em todo o país”.

Nesse sentido, o projeto, desenvolvido em parceria com a Universidade do Porto (U.Porto) vai atribuir apoios aos primeiros 20 estudantes de licenciatura ou mestrado integrado da academia que ultrapassam o limiar para a atribuição das bolsas de ação social e cumprem os critérios de elegibilidade definidos.

Paralelamente, vai também acompanhar “de forma próxima” os alunos durante o seu percurso, proporcionando um programa de mentoria – para trabalhar competências de desenvolvimento pessoal e profissional — e um programa de bolsas de estágio e integração profissional.

Este projeto-piloto tem a duração de dois anos letivos, de 2020 a 2022, e visa assim “promover a empregabilidade jovem e a quebra do ciclo de pobreza e exclusão social”.

Citada no comunicado, Mafalda Teixeira Bastos, cofundadora da ‘Stand4Good’, afirma que a associação e consequentemente, o projeto nascem para “garantir que as oportunidades são realmente de todos”.

O atual contexto de pandemia vem acentuar de forma expressiva as desigualdades já existentes, com muitas famílias a perderem grande parte do seu rendimento e muitos jovens a terem de abandonar o ensino superior. A ‘Stand4Good’ nasce precisamente para combater esta problemática”.

Também no comunicado, José Castro Lopes, pró-reitor da U.Porto responsável pelo pelouro da Ação Social, afirma que estas bolsas serão “um complemento importante” aos apoios que a universidade “tem vindo a proporcionar aos estudantes mais atingidos pelas consequências económicas da pandemia”.

No final do projeto, a associação vai realizar uma avaliação de impacto, com o intuito de “replicar e escalar o projeto” e apoiar mais jovens que se encontrem em risco de abandono académico por circunstâncias de carência económica.