Histórico de atualizações
  • Bom dia. Encerramos por aqui este liveblog. Para acompanhar as notícias relacionadas com a pandemia de Covid-19 ao longo desta segunda-feira siga este link.

    Vacinação simultânea contra a Covid-19 e a gripe começa esta segunda-feira

  • Angola confirma mais 53 casos nas últimas 24 horas

    Angola diagnosticou mais 53 casos de covid-19 e registou dois óbitos, bem como a recuperação de nove doentes, nas últimas 24 horas, anunciaram as autoridades de saúde angolanas.

    Dos 53 casos novos, dos quais 30 do sexo masculino e 23 do sexo feminino, com idades entre 21 dias e 81 anos, 43 foram identificados em Luanda e 10 no Zaire.

    Um homem e uma mulher, com 22 e 67 anos, morreram devido à doença e outras nove pessoas foram consideradas recuperadas.

    Registam-se agora 62.842 casos da doença em Angola, dos quais 1.664 óbitos, 10.552 ativos e 50.626 recuperações.

    Nas últimas 24 horas, foram processadas 1.122 amostras por RT-PCR (47 positivas e 1.075 negativas), com uma taxa de positividade de 4,2%, ascendendo o total acumulado a 1.070.329 amostras.

  • Cabo Verde com cinco infetados em 24 horas

    Cabo Verde registou cinco infetados com o novo coronavírus responsável pela pandemia de covid-19 em 24 horas, o registo mais baixo desde dezembro, elevando para 38.040 o acumulado de casos, segundo dados do Ministério da Saúde.

    De acordo com o boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, os laboratórios de virologia do arquipélago processaram 275 amostras desde sábado, com uma taxa de positividade global para o novo coronavírus de 1,8%, sendo este o registo diário mais baixo desde 26 de dezembro de 2020 (dois casos).

    No concelho da Praia, capital e principal foco da pandemia de covid-19 no país, foram registados dois infetados nas últimas 24 horas (em 109 amostras, taxa de positividade de 1,8%), contando agora com 225 casos ativos.

    Segundo os dados do Ministério da Saúde, foram também confirmados três casos na ilha de São Vicente.

    Nas últimas 24 horas foram dadas como recuperadas da doença em Cabo Verde 35 pessoas e manteve-se em 347 o acumulado de óbitos por complicações associadas à covid-19, além de 15 por causas externas, desde o início da pandemia.

    Cabo Verde passa assim a contar com um acumulado de 38.040 casos do novo coronavírus desde 19 de março de 2020 (quando foi diagnosticado o primeiro infetado no arquipélago), distribuídos por todos os 22 municípios das nove ilhas habitadas, segundo os dados do Ministério da Saúde.

    O arquipélago regista hoje 388 casos ativos e soma 37.281 casos considerados recuperados da doença, enquanto dois infetados estrangeiros foram transferidos para os países de origem.

  • Madeira regista quatro novos casos e conta com 67 ativos

    A Madeira registou quatro novos casos de infeção por SARS-CoV-2 e 11 recuperações nas últimas 24 horas, contabilizando agora 67 casos ativos, indicou hoje a Direção Regional da Saúde (DRS).

    Dos quatro novos casos, um é importado e três são de transmissão local, informa o boletim epidemiológico, acrescentando que há hoje mais 11 doentes recuperados.

    Atualmente, dos 67 casos de covid-19 ativos, 12 são importados e 55 de transmissão local.

    Relativamente ao isolamento dos casos ativos, sete pessoas estão hospitalizadas no Hospital Dr. Nélio Mendonça, nenhuma delas em cuidados intensivos, e oito doentes cumprem isolamento numa unidade hoteleira dedicada, permanecendo os restantes em alojamento próprio, refere a DRS.

    “No total, há 36 situações que se encontram hoje em apreciação pelas autoridades de saúde, estando estas relacionadas com viajantes identificados no aeroporto, contactos com casos positivos ou outras situações reportadas à linha SRS24 ou provenientes dos vários postos de testagem”, acrescenta.

    Estão também a ser acompanhados 222 contactos de casos positivos pelas autoridades de saúde da região e 38.034 viajantes com recurso à aplicação “Madeira Safe”.

    A Madeira regista desde o início da pandemia 11.876 casos confirmados de covid-19, 11.733 recuperações e 76 óbitos associados à doença.

    As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação divulgada no boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

    Os dados da DGS atribuem hoje sete novos casos de covid-19 e uma morte à Madeira, que, nestas contas, totaliza 12.449 infeções e 73 mortes devido à doença covid-19 desde março de 2020.

    A covid-19 provocou pelo menos 4.891.684 mortes em todo o mundo, entre mais de 240 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

    Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.097 pessoas e foram contabilizados 1.079.806 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

  • Boletim DGS. Morreu uma pessoa na casa dos 40 anos

    Uma das pessoas que morreram nas últimas 24 horas infetadas com a Covid-19 tinha uma idade na casa dos 40 anos, de acordo com informações enviadas pela DGS aos jornalistas.

    Trata-se de uma mulher de idade entre os 40 e 49 anos, especificam as tabelas enviadas pela DGS.

    As restantes oito vítimas mortais tinham mais de 70 anos: duas mulheres entre os 70 e os 79 anos; quatro mulheres com mais de 80 anos; um homem entre os 70 e os 79 anos; e um homem com mais de 80 anos.

  • Boletim DGS. Lisboa e Vale do Tejo com mais de um terço dos novos casos do país

    A região de Lisboa e Vale do Tejo foi aquela em que se diagnosticaram mais novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas: 166 (36% do total).

    Segue-se a região Norte (com 114 novos casos), o Centro (94), o Algarve (41), o Alentejo (26), os Açores (17) e a Madeira (sete).

    Na região de Lisboa e Vale do Tejo morreram nas últimas 24 horas três pessoas, o mesmo número de mortes ocorridas no Alentejo.

    Nas regiões Norte, Centro e Algarve registou-se um óbito em cada.

  • Boletim DGS. Aumenta o número de doentes internados em enfermarias e em cuidados intensivos

    O boletim divulgado pela DGS dá conta de um aumento do número de doentes infetados com Covid-19 que precisam de internamento hospitalar.

    O aumento verifica-se tanto nas enfermarias (há agora 295 internados, mais dez do que ontem) como nos cuidados intensivos (onde estão 61 doentes, mais dois do que ontem).

  • Boletim DGS. Número de recuperados inferior ao de novos casos faz aumentar casos ativos

    Ainda de acordo com o boletim agora divulgado, recuperaram da infeção 258 pessoas nas últimas 24 horas — um número inferior ao de novos casos, o que significa que o número de casos ativos subiu.

    Há agora 30.309 casos ativos de Covid-19 em Portugal, mais 198 do que os que constavam do boletim de ontem.

    No total, desde março de 2020, 1.031.400 pessoas recuperaram da Covid-19. Trata-se de 95,5% do total de pessoas que contraíram a doença.

    Por outro lado, 18.097 pessoas — 1,7% do total de infetados — acabaram por morrer.

    Os casos ainda ativos representam 2,8% dos casos de infeção.

  • Boletim DGS. Há 465 novos casos e mais nove mortes por Covid-19 em Portugal

    Registaram-se nas últimas 24 horas 465 novos casos de Covid-19 em Portugal — e a infeção levou à morte de mais nove pessoas.

    Os números constam do boletim enviado há minutos pela Direção-Geral da Saúde aos jornalistas.

    Estes valores elevam a estatística total da pandemia em Portugal para 1.079.806 casos diagnosticados e 18.097 óbitos desde março de 2020.

  • Centros de vacinação da Madeira com horário alargado até sábado

    Os centros de vacinação da Madeira estão a funcionar com horário alargado entre hoje e sábado para que a população possa ser vacinada de forma mais célere, anunciou a secretaria regional de Saúde e Proteção Civil.

    Numa nota enviada às redações, a secretaria tutelada por Pedro Ramos indica que é possível fazer a vacina contra a gripe ou contra a Covid-19 naqueles espaços, relembrando que já é possível fazer o reforço da vacina contra a doença provocado pelo novo coronavírus.

    “A terceira dose está a ser administrada aos grupos prioritários com idade igual ou superior a 60 anos e a pessoas com mais de 50 anos com patologia crónica, para além dos profissionais de saúde e da proteção civil”, refere o comunicado.

    Ambas as vacinas estão a ser administradas na modalidade de casa aberta, pelo que não é preciso agendar.

  • Açores registaram mais 13 casos nas últimas 24 horas

    Os Açores registaram nas últimas 24 horas mais 13 casos de Covid-19, todos na ilha de São Miguel, 22 recuperações e cinco doentes internados, anunciou hoje a Autoridade Regional de Saúde.

    Na sequência das 703 análises realizadas, o concelho de Ponta Delgada registou oito casos, o da Ribeira Grande quatro e o da Lagoa um, sendo que um caso corresponde a viajante, residente, com rastreio positivo à chegada, e os restantes foram registados em contexto de transmissão comunitária.

    De acordo com o boletim diário da Autoridade de Saúde, há cinco doentes internados, todos no Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, tendo-se registado 22 recuperações, sendo 20 em São Miguel – 17 no concelho de Ponta Delgada, duas no Nordeste e uma na Ribeira Grande – e duas no Pico, no concelho da Madalena.

    Os Açores somam 168 casos, sendo 144 em São Miguel, 11 no Faial, seis em Santa Maria, cinco na Terceira e dois no Pico.

    Desde o início da pandemia, foram diagnosticados nos Açores 9.253 casos de covid-19, dos quais 8.857 recuperaram da doença, 44 faleceram, 95 saíram do arquipélago e 89 apresentaram prova de cura de anterior infeção.

  • Rússia atinge novo recorde de contaminações em 24 horas

    A Rússia registou hoje um novo recorde de contaminação pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, pelo quarto dia consecutivo, sinal de uma epidemia em plena expansão facilitada por um plano de vacinação lento e poucas restrições sanitárias.

    De acordo com a contagem oficial do Governo, foram identificadas 34.303 novas contaminações em 24 horas, um recorde desde o início da pandemia, e 997 mortes.

    No sábado, o país passou pela primeira vez a barreira simbólica de mil mortes diárias devido à Covid-19, com 1.002 óbitos.

    A Rússia é o país mais atingido na Europa pelo novo coronavírus.

    Este surto ocorre quando apenas 32% dos russos estão totalmente vacinados, de acordo com dados oficiais, num cenário de desconfiança dos cidadãos em relação às vacinas.

    O vírus avança também devido às limitadas restrições de saúde do Governo, embora várias regiões tenham reintroduzido a exigência de apresentação de certificados de vacinação para aceder a locais públicos.

    O Kremlin, preocupado em preservar a economia, recusou um confinamento a nível nacional, embora tenha considerado “inaceitável” o baixo índice de vacinação da população.

    A propagação do vírus também é facilitada pelo pouco respeito pelas regras de contenção.

    Desde o início da pandemia, o Governo registou oficialmente 223.312 mortes, o número mais alto da Europa.

    O instituto de estatísticas Rosstat, que se baseia em critérios mais amplos para considerar as mortes relacionadas com o coronavírus, relata mais de 400.000 mortos.

    A covid-19 provocou mais de 4,8 milhões de mortes em todo o mundo, entre mais de 239 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

  • Em Melbourne, vai chegar ao fim o confinamento mais longo do mundo: foram 262 dias em casa

    A cidade australiana de Melbourne, onde vivem cerca de 5 milhões de pessoas, vai ser na próxima sexta-feira libertada do confinamento mais longo decretado no mundo em resposta à pandemia da Covid-19.

    Com a vacinação a avançar no estado de Victoria, no sul do país, a capital, Melbourne, irá finalmente deixar de estar sob uma restritiva política que obriga os cidadãos a permanecerem em casa.

    Esta semana, a percentagem de pessoas vacinadas com duas doses deverá alcançar a meta dos 70%, apontada como o objetivo para começar o desconfinamento.

    Desde março de 2020, a cidade foi confinada seis vezes, o que totaliza 262 dias de confinamento (ultrapassando a cidade de Buenos Aires, que esteve 234 dias em confinamento), segundo explica a agência Reuters.

    Inicialmente, a Austrália adotou uma política de confinamento estrito ao mínimo sinal de contágio, o que levou a que várias cidades do país fossem submetidas a longos confinamentos na sequência da deteção de casos de Covid-19 — mas o país está atualmente a mudar de estratégia ao ritmo da vacinação, adotando uma posição de convivência com o vírus.

  • Bom dia.

    O Observador vai acompanhar neste liveblog as notícias relativas à pandemia da Covid-19 em Portugal e no resto do mundo ao longo deste sábado. As notícias de domingo ficam arquivadas aqui.

    Confinamento mudou hábitos alimentares dos portugueses — para melhor

1 de 1