Momentos-chave
Histórico de atualizações
  • Vamos encerrar por aqui este liveblog, que acompanhou a atualidade relacionada com a pandemia de Covid-19 ao longo desta terça-feira.

    Continue a seguir-nos nesta nova ligação.

    100.000 pessoas vão morrer em todo o mundo até ao final dos Jogos Olímpicos, prevê diretor da OMS

  • "Podemos escolher acabar com a pandemia"

    O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS) discursou perante o Comité Olímpico Internacional, apelando ao cumprimento das regras sanitárias durante os Jogos Olímpicos.

    “Está nas nossas mãos. Temos todas as ferramentas de que precisamos. Podemos prevenir esta doença, podemos testá-la e podemos tratá-la. É mais do que temos para muitas doenças que já existem há muito mais anos”, lembrou Tedros Adhanom Ghebreyesus. “Podemos escolher acabar com a pandemia.”

    “Para lá da competição, para lá das medalhas e recordes, que estes Jogos aproximem as nações do mundo em celebração. Uma celebração do desporto, uma celebração de saúde, uma celebração de excelência, uma celebração de amizade e respeito”, apelou o diretor na OMS. “Mas também de algo ainda mais importante, de algo que o mundo precisa agora, mais do que nunca: uma celebração de esperança.”

    Dr Tedros address to the International Olympics Committee

    LIVE: Dr Tedros Adhanom Ghebreyesus address to the International Olympics Committee

    Posted by World Health Organization (WHO) on Tuesday, July 20, 2021

  • Pelo menos 660 crianças portuguesa ficaram órfãs ou perderam avós ou tios devido à Covid-19

    A pandemia de Covid-19 fez, em Portugal, 590 crianças e adolescentes ficarem sem pais — número que ascende a 660 se for incluída a perda de avós que tinham a sua guarda.

    Pelo menos 660 crianças portuguesas ficaram órfãs ou perderam avós ou tios devido à Covid-19

  • Casos explodem em França, mas hospitalizações continuam a descer

    A França registou hoje mais de 18 mil novos casos e pelo menos 44 departamentos ultrapassaram o limite estabelecido de 50 infeções por 1000 mil habitantes, mas as hospitalizações continuam a descer.

    O ministro da Saúde, Olivier Véran disse que o aumento do número de novos casos é algo “nunca visto” em todas as vagas até agora no país. Nas últimas 24 horas foram detetados mais 18 mil novos casos de Covid-19 e morreram 33 pessoas.

    Em média, a taxa de incidência no país subiu para 84 por 100 mil habitantes, sendo que o Governo tinha estabelecido que a partir de mais de 50 casos por 100 mil habitantes as autoridades locais podem tomar medidas adicionais como imposição de recolher obrigatório localmente

  • AR aprova recomendações para massificar testagem e acelerar vacinação

    A Assembleia da República aprovou dois projetos de resolução, um do PCP e outro do BE, que recomendam a massificação da testagem e aceleração da vacinação.

    AR aprova recomendações para massificar testagem e acelerar vacinação

  • Gouveia e Melo: "Há sítios que já esgotaram as vagas que havia para o autoagendamento"

    O responsável da task force confirmou esta tarde que “há sítios que já esgotaram as vagas que havia para o autoagendamento”.

    Gouveia e Melo diz que “não há vacinas para mihões de pessoas” e isso explica que algumas pessoas não consigam autoagendar a vacinação.

    As pessoas que chegaram primeiro e se autoagendaram estão à espera, quando estas forem vacinadas abrirá vagas para essas pessoas”, explicou o vice-almirante Gouveia e Melo em Vila Real à margem de uma cerimónia de homenagem.

    Gouveia e Melo fez questão de frisar ainda que “as vacinas estão a ser distribuídas de forma proporcional à população desse território” e que a percentagem de vacinação no território é “muito igual”.

  • Itália regista 3.558 novos casos e dez mortos nas últimas 24 horas

    Itália registou 3.558 novos contágios do novo coronavírus e dez mortos nas últimas 24 horas, anunciou hoje o Ministério da Saúde, dados que refletem um aumento das infeções no país nas últimas semanas.

    Estes dados mantêm a tendência de aumento das infeções em Itália, onde a variante Delta representava na semana passada 27,7% dos positivos, enquanto o total de contágios ascende a 4.293.083 desde o início da pandemia em fevereiro de 2020.

    Os 3.558 novos contágios implicam um aumento de 2.024 casos, mais do dobre, face ao mesmo dia da semana passada, quando foram registados 1.534 casos.

    O número de mortes diárias (dez) situa-se entre os dados mais baixos desde o início da emergência sanitária e eleva para 127.884 o número total de óbitos.

    Em relação ao número de pessoas com o vírus SARS-CoV-2, atualmente situam-se em 49.310, um aumento de 1.785 positivos em relação a segunda-feira, com a grande maioria isolada em suas casas com sintomas leves ou sem sintomas.

  • Regulador europeu inicia avaliação de nova vacina da Sanofi Pasteur

    Os resultados preliminares sugerem que a Vidprevtyn “desencadeia a produção de anticorpos que têm como alvo o SARS-CoV-2, o vírus que causa Covid-19 e pode ajudar a proteger contra a doença”.

    Regulador europeu inicia avaliação de nova vacina da Sanofi Pasteur

  • Madeira com 21 novos casos e 200 infeções ativas

    As autoridades da Madeira diagnosticaram 21 novos casos de Covid-19 e mais 13 doentes recuperados nas últimas 24 horas, registando 201 situações ativas, anunciou hoje a Direção Regional da Saúde (DRS).

    “No dia 20 de julho de 2021, há a reportar 21 novos casos de infeção por SARS-CoV-2, pelo que a região passa a contabilizar 9.971 casos confirmados de Covid-19”, lê-se no documento divulgado pela DRS.

    No boletim epidemiológico, a autoridade regional adianta que, dos novos casos diagnosticados, 14 são de transmissão local e sete são importados, cinco da região Norte, um do Reino Unido e um da Venezuela.

    Também indica que hoje estão reportados “201 casos ativos, dos quais 82 são importados e 119 são de transmissão local”.

    Em termos de recuperados, a Madeira contabiliza um total de 9.697 doentes desde o início da pandemia e mantém os 73 óbitos relacionados com a doença.

  • Contágios em Espanha sobem para 622 casos por cada 100.000 habitantes

    A incidência acumulada de infetados por Covid-19 em Espanha subiu para 622 casos por cada 100.000 habitantes nas últimas duas semanas, tendo sido registadas 27.286 novas infeções e 29 mortes nas últimas 24 horas.

    Segundo números divulgados hoje pelo Ministério da Saúde de Espanha, os últimos contágios elevam para 4.189.136 o número total de infetados no país desde o início da pandemia, havendo agora um total de 81.148 óbitos causados pela doença.

    O nível relativo de contágios teve uma subida de 22 unidades, tendo a incidência acumulada passado dos 600 casos (segunda-feira) para 622 (hoje) diagnosticados por cada 100.000 habitantes nas últimas duas semanas.

    As comunidades autónomas espanholas com os níveis mais elevados são a Catalunha (1.240), Castela e Leão (910), Navarra (906), Aragão (793), Astúrias (675) e Cantábria (607).

  • Reino Unido regista maior número de mortes em quatro meses

    O Reino Unido registou 96 mortes de Covid-19, o número mais alto desde 20 de março, e 46.558 novos casos nas últimas 24 horas, de acordo com os dados oficiais atualizados hoje.

    Na segunda-feira, o Reino Unido tinha registado 39.950 novos casos e 19 mortes, mas os valores relativos ao fim de semana são normalmente mais baixos devido ao atraso no processamento dos dados.

    Nos últimos sete dias, entre 14 e 20 de julho, a média diária foi de 49 mortes e 47.438 casos, o que corresponde a uma subida de 60,6% no número de mortes e de 40,7% no número de infeções relativamente aos sete dias anteriores.

    A média diária de pessoas hospitalizadas foi de 643 entre 08 e 14 de julho, um aumento de 38,4% face aos sete dias anteriores. Na segunda-feira estavam internados 4.567 pacientes, dos quais 611 com auxílio de ventilador.

  • ARCOlisboa cancela parte presencial e fica com formato digital devido à pandemia

    A feira de arte contemporânea ARCOlisboa, que se devia realizar de 16 a 19 de setembro, na Doca de Pedrouços, vai ter apenas um formato digital, devido à pandemia de Covid-19, revelou hoje a organização.

    “A mudança das datas das principais feiras internacionais de arte, assim como o possível impacto que a situação sanitária poderia continuar a ter na mobilidade internacional, motivaram a decisão do Comité Organizador da ARCOlisboa […] de mudar a edição de 2021 para um formato digital”, segundo um comunicado de imprensa enviado à Lusa pela Feira Internacional de Madrid (IFEMA).

    A IFEMA, que organiza a ARCOlisboa com a Câmara Municipal de Lisboa, considera que o formato meramente digital vai permitir às galerias “expor as suas propostas e manter o contacto com colecionadores e compradores de todo o mundo”.

    Para assegurar o sucesso da edição digital do corrente ano, a organização revela que já começou a trabalhar na “plataforma ARCO E-XHIBITIONS”, a partir da qual será desenvolvido um programa completo de visitas exclusivas para galerias.

  • PSD dos Açores destaca regresso da economia a terreno positivo

    O PSD/Açores destacou hoje que, em maio, a economia regional entrou em terreno positivo pela primeira vez desde o início da pandemia de Covid-19, em março de 2020, elogiando o contributo dos apoios do Governo Regional às empresas.

    Num comunicado do partido, o deputado do PSD/Açores André Viveiros “manifesta satisfação com os dados do Indicador de Atividade Económica, que revelam um aumento de 0,8%, ou seja, o primeiro valor positivo desde o início da pandemia”.

    “Pela primeira vez desde março de 2020, a economia regional entra em terreno positivo”, afirmou o social-democrata, citado na nota de imprensa, considerando “essenciais” para a recuperação os apoios do Governo Regional às empresas.

    Elaborado pelo Serviço Regional de Estatística dos Açores, o Indicador de Atividade Económica, que a Lusa hoje consultou, apresentou em maio de 2021 “um aumento de 0,8%“, estando em causa “o primeiro valor positivo obtido por este indicador desde março de 2020, mês em que a pandemia de Covid-19 começou a ter maior impacte em Portugal e na Região”.

  • Novos casos diários em França disparam para 18 mil, diz ministro da Saúde

    O ministro da Saúde francês, Olivier Véran, disse hoje que o país registou 18 mil novos casos nas últimas 24 horas, algo “nunca visto” desde o início da pandemia.

    “Nunca tínhamos visto nada assim […] a variante Delta circula ativamente há três semanas e circula muito rapidamente entre os jovens”, alertou o ministro na Assembleia Nacional.

    O governo francês anunciou na segunda-feira que o país entrou na quarta vaga da Covid-19, com 80% dos casos detetados a ter origem na variante Delta e um aumento de 125% de contaminações na última semana.

    Desde o anúncio da obrigatoriedade do passe sanitário em vários espaços de lazer e cultura feito na semana passada pelo Presidente Emmanuel Macron, 3,7 milhões de franceses já marcaram a primeira dose da vacina contra a Covid-19.

    O governo espera ter 40 milhões de pessoas vacinadas com a primeira dose da vacina contra a Covid-19 até ao fim de julho.

  • Governo da Madeira diz que situação está “contida” e mantém testes PCR

    A pandemia está “contida” na Madeira, disse hoje o presidente do Governo Regional, admitindo que a preocupação com a “gravidade e a incidência dos casos” levou a manter a obrigatoriedade dos testes PCR na entrada no arquipélago.

    “Temos a situação contida, as cadeias também estão monitorizadas”, declarou Miguel Albuquerque aos jornalistas, à margem de uma visita.

    O governante apontou que era “previsível” e “estava dentro das perspetivas” das autoridades regionais um aumento de casos com a abertura do Aeroporto da Madeira, que só na segunda-feira registou 20 movimentos.

    “Neste momento, o que nós temos é que ter a capacidade de resposta do Serviço Regional de Saúde para podermos receber potenciais internamentos e tratamentos, sobretudo nos cuidados intensivos”, sublinhou.

  • EUA recomendam aos cidadãos que evitem viagens para o Reino Unido, Indonésia, Zimbabué, entre outros

    Sendo o país mais afetado pela pandemia da Covid-19 até hoje, os norte-americanos foram aconselhados a evitar destinos como Reino Unido, Indonésia, Zimbabué, Fiji e Ilhas Virgens Britânicas.

    EUA recomendam aos cidadãos que evitem viagens para o Reino Unido, Indonésia, Zimbabué, entre outros

  • Boletim DGS. Casos ativos baixam 3,3% no último dia, à boleia de 4 mil recuperações

    Num só dia houve menos 1.749 casos ativos do que no dia anterior, num total de 50.487.

    O número elevado de recuperações no último dia — 4.451 — ficou bem acima dos 2.706 novos casos. Há agora um total 867.540 recuperados desde que a pandemia chegou a Portugal, em março do ano passado.

  • Boletim DGS. Lisboa e Vale do Tejo acumula 44% dos novos dos casos

    Lisboa e Vale do Tejo teve 1.196 dos 2.706 casos de infeção registados no último dia, ou 44,2% dos novos casos do país.

    Seguem-se o Norte, com 953 casos, Centro (219), Algarve (199), Alentejo (77), Madeira (39) e Açores (23).

  • Boletim DGS. Mortes na última semana diminuem face ao período anterior

    No total dos últimos 7 dias, desde o boletim de 14 de julho, a Direção-Geral de Saúde identificou 46 mortes, menos 9 do que no período imediatamente anterior (55 entre 7 e 13 de julho).

    Duas das mortes registadas pela DGS esta terça-feira (referente ao dia anterior) tiveram lugar em Lisboa e Vale do Tejo. As outras duas tiveram lugar no Norte e no Algarve.

    Estão em causa um homem e uma mulher na casa dos 60 anos e duas mulheres acima dos 80 anos.

    Desde que começou a pandemia, morreram 17.219 pessoas com Covid-19.

  • Boletim DGS. Internamentos mais do que duplicam num mês

    Depois de mais um aumento no número de internados (+3), estão agora ocupadas 854 camas devido à Covid-19. É o valor mais elevado desde 18 de março (na altura 789 doentes), tal como já era esta segunda-feira.

    Hoje há mais 112 internados (+15,1%) face ao mesmo dia da semana passada e mais do dobro (+110%) do valor de há um mês (a 20 de junho havia 405 doentes).

    No caso dos internamentos em cuidados intensivos, há um aumento de 17 face ao mesmo dia da semana anterior.

    Entrada atualizada às 15h07

1 de 2