Logo Observador
Séries

A Guerra dos Tronos inspira ópera em Nova Iorque

Peças de compositores como Wagner e Mozart vão ser tocadas juntamente com imagens da série em Nova Iorque. Companhia de ópera já fez o mesmo para Hannibal, Jess e os Rapazes e Rutura Total.

Frazer Harrison

Os livros da saga A Guerra dos Tronos já inspiraram uma série com milhões de seguidores em todo o mundo e agora chegam à música clássica. A One World Symphony, uma companhia de ópera nova-iorquina, leva à cena em Fevereiro as primeiras apresentações de um espetáculo de ópera inspirado na saga pelo trono de ferro, mas não é a sua primeira experiência a misturar música e séries de televisão.

Como recriar A Guerra dos Tronos em ópera? O diretor da companhia, Sung Jin Hong, explicou ao The Guardian que os elementos básicos já lá estão como “sedução, romance ou manobras políticas”, bastava acrescentar-lhe música. Para ilustrar musicalmente a saga, esta companhia escolheu peças de compositores aclamados como Wagner, Mozart e Stravinsky, misturando-os com temas mais recentes como a banda sonora do filme O Senhor dos Anéis.

As apresentações estão marcadas para dia 1 e 2 de fevereiro do próximo ano, numa igreja em Chelsea. Mas o resto da temporada também será preenchida pela recriação de outras séries como Hannibal e Jess e os rapazes. No entanto, no caso de Hannibal, Hong compôs uma ópera original, tal como já tinha feito em janeiro para a série Rutura Total. A ópera sobre o professor de química que se torna cozinheiro de metanfetaminas resultou numa peça de 50 minutos que foi um dos espetáculos mais lucrativos na história desta companhia.

Mas o diretor não descarta uma ópera original para A Guerra dos Tronos assim que o seu final seja conhecidos, ou até quem sabe inspirar-se só numa personagem. “Cersei Lannister faria com que Salomé parecesse uma virgem. A sua força pode ser a sua imaginação e sua redenção o ser amor pelo seu filho, embora ele possa ser ainda pior que ela”, afirmou Hong.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conferências

Portugal, fórum do diálogo global

Daniel Traça

É cada vez mais importante criar pontes, ultrapassar o conflito, o medo, a insegurança e a intolerância. Sem um esforço intenso de promoção desse diálogo, está em risco um novo período de trevas