Logo Observador
Arte

John Malkovich – ou Dali, Warhol, Einstein, Bette Davies e até Marilyn Monroe (fotogaleria)

2.109

O fotógrafo Sandro Miller recriou algumas das mais famosas fotos da história recorrendo a John Malkovich. O actor assume uma faceta camaleónica que, em alguns casos, impressiona pela semelhança.

Alberto Korda / "Che Guevara" (1960)

Sandro Miller, Alberto Korda

Autor
  • Ricardo Oliveira Duarte

Em 1999 estreou nos cinemas um filme chamado “Being John Malkovich”, traduzido para português como “Queres ser John Malkovich?”. Escrito por Charlie Kaufman, realizado por Spike Jonze, tem John Cusack, Cameron Diaz e Catherine Keener como protagonistas. Basicamente, a película conta a história de Craig Schwartz, um desempregado que descobre um pequeno portal que leva até à mente de John Malkovich. O ator, Malkovich, também entra, faz dele mesmo. Temos, portanto, Malkovich a ser Malkovich.

Se Spike Jonze desafiou o ator a fazer dele mesmo, o fotógrafo Sandro Miller propôs-lhe o oposto, que Malkovich fosse todos os outros. Ou quase. Miller queria homenagear os “mestres” que o inspiraram ao longo da carreira, então recorreu a John Malkovic, com quem já tinha trabalhado noutras ocasiões. Os dois recriaram algumas das fotografias mais famosas da história. Do auto-retrato de Andy Warhol à fotografia que Korda tirou a Che Guevara, passando por Marilyn Monroe, Ernest Hemingway, Albert Einstein ou Salvador Dalí. E não foi usado Photoshop.

As fotografias fazem parte da exposição “Malkovich, Malkovich, Malkovich: Homage to photographic masters”, que abre ao público no próximo dia 7 de Novembro, na “Catherine Edelman Gallery“.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Sim, isto é mesmo como na Grécia

Rui Ramos

Não é só em Portugal: também a Grécia festeja um resultado orçamental histórico. O método foi o mesmo: reduzir o Estado a controle, empregos, e favores para amigos, e cortar o resto sem piedade. 

Crónica

Ocasiões de choradeira

Miguel Tamen

O maior serviço que a televisão presta é pelo contrário o de proporcionar a quem nela aparece a falar ocasiões de choradeira: dar azo ao apreço que quem fala sente por si próprio.