Logo Observador
Educação

“É preciso virar as salas de aula ao contrário”

10.795

Motivar os professores, muitos vídeos nas aulas, fazer os trabalhos de casa na escola. Salman Khan já tem mais de 2000 videos no Youtube, fundou a Khan Academy e está a revolucionar a educação.

Salman Khan a discursar numa conferência organizada pela Vanity Fair.

Getty Images for Vanity Fair

Autor
  • Catarina Marques Rodrigues
Mais sobre

Educar e ensinar não é fácil, mas é possível potenciar o potencial de cada criança. E como é que isso se faz? É a resposta a esta pergunta que motivou Salman Khan a fazer um vídeo para as primas mais novas tirarem melhores notas na escola. A ferramenta interativa prendeu a curiosidade das meninas, que podiam rever o vídeo à medida da sua compreensão. Não tinham a pressão de ter de apreender tudo naquele segundo — como um professor que debita matéria sem travão.

O caso aconteceu em 2004 e os resultados inspiraram o analista financeiro a fundar a Khan Academy em 2006. Agora tem mais de 2000 vídeos no Youtube e é apontado como um dos “melhores professores” da atualidade. A academia online de educação é de acesso grátis. Tem 15 milhões de utilizadores registados, dos quais 500 mil são professores. E não falta trabalho: diariamente, o site dispõe de muitos problemas matemáticos para resolver, vídeos sobre ciência, economia, finanças, artes e humanidades. Desde “o que são as células” até “o que é a inflação”, está tudo explicado na academia de Khan.

A Fundação Portugal Telecom estabeleceu um protocolo com a Khan Academy e dispõe de mais de 870 vídeos traduzidos para português, do 1º ao 12º ano. O protagonismo que a academia adquiriu fez com que Salman se tornasse um verdadeiro conselheiro no que respeita à educação. Salman Khan diz que é preciso virar as salas de aula ao contrário e sugere que, em vez de os alunos passarem muito tempo a fazer trabalhos de casa, em casa, devem fazê-lo na escola — é lá que os problemas devem ser trabalhados e isso permite que ganhem o seu próprio ritmo junto dos outros.

O objetivo do professor não deve ser “despachar trabalho para os alunos”, mas sim pensar na melhor forma para desenvolver as capacidades de todos os elementos do grupo. Primeiro, Khan lança uma ideia que deve estar clara em todas as escolas: as pessoas não aprendem todas ao mesmo ritmo. Como tal, a melhor atitude não é travar a evolução dos melhores alunos, mas sim trabalhar mais com os que estão a ficar para trás.

Para Khan, “não faz sentido que um aluno que já tenha entendido tudo daquela matéria tenha de ouvir tudo outra vez como o aluno que está completamente perdido”, contou à Forbes. Antes de passar à próxima matéria, a anterior tem de ficar bem apreendida — não podem ficar lacunas na aprendizagem. As ferramentas de trabalho devem ir além do quadro e do giz: os vídeos e as infografias são meios interativos a ser usados pelos pais e professores.

A motivação é mais uma das chaves para o sucesso. Um professor deve ver o desenvolvimento do aluno como uma compensação pessoal — e deve ser essa a sua motivação. Para Salman Khan, há um conselho que todos os professores deviam anotar na sua agenda. “Os alunos aprendem melhor quando as escolas respeitam a sua curiosidade natural e inteligência e, sobretudo, quando lhes dão a chance de conseguirem um entendimento intuitivo”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.

Escolas

Ninguém quer resolver o problema das matrículas

Alexandre Homem Cristo
277

Não faltam exemplos internacionais de soluções para as matrículas. Só que o nosso obstáculo de raiz não é a falta de alternativas; é mesmo a falta de vontade. Como se vê, isso não mudará tão depressa.

Terrorismo

Um homem, um gesto

Laurinda Alves

Fernando Álvarez fez sozinho o minuto de silêncio e humanamente ganhou em toda a linha. Harry Athwal, que permaneceu ajoelhado ao lado do rapazinho, deu um testemunho admirável de coragem e humanidade