A norte-americana Kat Su sempre foi uma apreciadora da bizarra arte da taxidermia. Por isso, quando em 2009 comprou um novo apartamento em Brooklyn (Nova Iorque), decidiu comprar qualquer coisa bonita para por na parede. “Queria qualquer coisa realmente régia, impressionante. A cabeça majestosa de um veado, ou algo do género”, contou ao jornal The Guardian. Mas, em vez disso, encontrou algo ainda melhor: “tudo o que consegui encontrar era realmente feio, ou tinha os olhos tortos ou uma expressão bizarra”.

Fascinada, decidiu criar um site e publicar as fotografias online. “Encontrei um padrão de má taxidermia na internet“, disse ao Observador. “Decidi documentá-lo para os meus amigos porque gostava de olhar para as fotografias”. Algumas das peças que encontrou na online eram “antigas e criadas antes de existir boa informação sobre empalhar animais”, mas outras não. “Algumas eram criadas de propósito para serem más porque o taxidermista tinha um bom sentido de humor. Algumas eram realmente estranhas”.

Foi assim que nasceu Crappy Taxidermy, um site dedicado à arte da má taxidermia. O repositório de imagens tornou-se num sucesso e acabou em livro. Mas não era bem isso que Kat Su tinha em mente. “Nunca quis publicar um livro!”, confessou. “Falaram comigo várias vezes há cinco anos, mas eu nunca quis fazê-lo porque parecia demasiado difícil de concretizar”.

Crap Taxidermy by Kat Su Published by Octopus Inflated horse - Beijing, China

Cavalo inchado. Fotografia de Yang Maoyuan.

O livro junta as melhores (ou piores) fotografias do site. Algumas imagens foram tiradas por Kat, outras enviadas por colaboradores. Ratos que parecem centopeias, coelhos com duas cabeças, gatos com sorrisos assustadores que também sabem voar, o mundo de Crappy Taxidermy é sinistro, mas risível. Porém, para muitos taxidermistas, o site criado por Kat não tem graça nenhuma. “Os taxidermistas que levam o seu trabalho a sério não parecem gostar muito de mim”, confessou ao Observador. “Perguntei a uma rapariga que fazia ratos que se pareciam com pokemons se estava interessada em entrar no meu livro e ela deu-me uma resposta um bocado agressiva sobre ser uma artista séria”.

Apesar das centenas de fotografias que já viu, Kat tem as suas favoritas. “A minha favorita de todos os tempos é um diorama de dois leões a comer, uma fotografia tirada pelo James Castleden”, confessou. “Têm um ar tão vago. É um jantar muito estranho entre marido e mulher”. Outro favorito é um cavalo amarelo que parece um balão. “Acho-o mesmo incrível como objeto. Penso que o artista usa mesmo ar para o soprar para o céu”.

f8f9d6f7-e069-4683-a677-1b9ad4e12ebb-620x439

Leões e um coelho no Serengueti. Fotografia de James Castleden.

Kat Su, uma verdadeira apreciadora de taxidermia, já tem planos para o seu gato. Quando morrer, Scout vai ser sentado, com as patas cruzadas, “com um colar de diamantes, um cachecol de plumas e a comer uma lata de comida para gato com uma colher de prata”.