Nos Estados Unidos celebra-se o Thanksgiving, uma prática que nos é distante. Mas há uma cena recorrente nos filmes que nos aproxima: a família senta-se à volta da mesa, todos dão as mãos e dizem, um a um, aquilo porque estão gratos.

O site da New York reuniu hoje, num texto feliz, algumas boas razões para dizemos “obrigado” – sempre baseadas em estudos que dão conta de efeitos secundários surpreendentes.

Ajudar a uma boa noite de sono – Uma investigação para a revista Applied Psychology – Psicologia Aplicada – em 2011 pediu aos participantes que fossem escrevendo num diário, 15 minutos antes de dormir, aquilo porque estavam gratos. Todos eles eram estudantes, todos tinham problemas em dormir “porque as suas mentes estavam ocupadas com pensamentos estimulantes e preocupações”, explicam os investigadores. Depois de uma semana de escrita os estudantes contaram que se tornaram mais calmos e que dormiram melhor.

Será mais feliz – Um estudo de Martin Seligman – impulsionador do movimento da psicologia positiva – conclui que as consequências um agradecimento longo e detalhado melhoram a boa disposição. Numa hipótese otimista podem durar um mês. A experiência foi feita em 400 pessoas a quem foram dadas seis tarefas, entre as quais uma importante: mostrar gratidão a alguém que merecia, mas a quem nunca tinha sido dada essa palavra. Foi a tarefa que mais melhorou a disposição dos participantes. Passado um mês, os efeitos ainda eram visíveis, garante a revista New York.

Poderá começar a fazer exercício – Neste estudo da Universidade da Califórnia e da Universidade de Miami dividiram-se os participantes em três grupos. O primeiro devia dizer cinco coisas que aconteceram na semana anterior e pelas quais estavam gratos, o segundo devia dizer as cinco coisas que o deixaram mais irritado na semana anterior. E o terceiro apenas tinha que contar cinco coisas que tinham acontecido – sem qualquer indicação sobre se boas ou negativas. Os investigadores concluíram que o primeiro grupo foi o que se tornou mais otimista e que quem o integrava, passado dois meses e meio de gratidão, começou a fazer mais exercício físico. Haverá relação direta? Talvez. De todo o modo, valerá a pena tentar.

Será mais produtivo – Ouvir “obrigado” também traz vantagens. Os investigadores do Journal of Personality and Social Psychology, visitaram o call center de uma universidade cujo objetivo era ligar a antigos alunos a pedir doações. Dividiram os funcionários em dois grupos – sendo que ao segundo grupo o diretor fez um pequeno discurso de agradecimento antes da jornada de trabalho. O segundo grupo fez mais 50% de chamadas.