Rádio Observador

Música

TIDAL, o serviço de “streaming” com qualidade de CD chega a Portugal

O Observador testou o TIDAL, lançado esta terça-feira. Oferece música com qualidade de CD e quer dar luta ao Spotify. Mas será que consegue?

tidalhifi.com

Autor
  • Pedro Esteves

Estreia-se hoje em Portugal um novo serviço chamado TIDAL. Trata-se de uma plataforma semelhante ao popular Spotify, o líder mundial nos serviços que disponibilizam música remotamente — uma tecnologia que conhecemos por streaming. O TIDAL foi lançado em outubro do ano passado nos Estados Unidos da América e no Reino Unido, tem apenas 17 mil subscritores mas vai alargar a oferta a 22 países durante este primeiro trimestre.

O Observador foi convidado a testar o TIDAL com alguns dias de antecedência. Utilizámos o serviço em diferentes plataformas e fizemos uma comparação (empírica) com o Spotify e com CDs originais.

Em comunicado, a TIDAL anuncia um serviço único de subscrição por 13,99€ que permite ouvir sem restrições 25 milhões de temas (mas não só, mais à frente explicamos). Já o Spotify é utilizado por 60 milhões de pessoas e tem uma base de dados com 30 milhões de músicas. O serviço premium custa 6,99€, mas qualquer um pode utilizar o Spotify gratuitamente sujeitando-se à publicidade.

O TIDAL é mais caro (o dobro do preço) e tem para já menos temas disponíveis. A comparação com o Spotify é inevitável mas o TIDAL quer posicionar-se noutro segmento: o dos utilizadores que privilegiam a qualidade sonora. Mas valerá a pena? Compensa a diferença de preço?

O grande argumento do TIDAL é o som. Utiliza no streaming um formato lossless, ou seja, som com qualidade de CD, sem compressão, ao contrário do MP3 ou AAC por exemplo, em que parte do som original é retirado para tornar os ficheiros mais pequenos. O TIDAL escolheu o formato ALAC (Apple Lossless Audio Codec) a 44.1 kHz e 16 bit – 1411 kbps, já o Spotify, na resolução máxima disponibilizada pelo serviço premium, utiliza um formato comprimido Ogg Vorbis a 320 kbps, e na versão gratuita a 160 kbps.

O TIDAL não hesita em se comparar com a concorrência e de caminho explica em que é que é diferente. Se possível, use auscultadores para ouvir o som deste vídeo:

Levámos o desafio a sério: através do Airplay pusemos a música a tocar num sistema NAD (amplificador e leitor) ligado a um par de colunas rega e uns auscultadores Sennheiser HD 25-1. Fizemos o teste também diretamente no smartphone, com os auscultadores padrão da marca (Apple). Ouvidos à escuta.

Comecemos pela qualidade do som, o principal argumento do TIDAL. De facto, não encontrámos qualquer diferença na qualidade do som entre o streaming e o CD. Já entre o Spotify e o CD, a diferença faz-se notar, em particular na capacidade dinâmica da música (o som é mais “claro” no CD e no TIDAL). Estas diferenças são facilmente percecionadas nas colunas da aparelhagem e nos auscultadores Sennheiser. No iPhone a diferença nota-se menos. Ficámos com a sensação que é preciso estar com muita atenção (e em silêncio ambiente) para perceber um mínimo de diferença.

O TIDAL pode ser usado através do browser Chrome (e apenas este, para já) ou através de aplicações para Windows, Mac, Android e iOS. Pode ainda ser integrado diretamente em alguns sistemas de alta-fidelidade, tais como McIntosh, Meridian e Auralic (entre outros, num total de 37). A aplicação para os dispositivos móveis está bastante bem desenhada (para o computador nem tanto) e funciona sem engasgos, apesar de exigir largura de banda — ligações muito lentas dificilmente conseguirão alimentar o streaming. Tenha em conta que uma única faixa em formato lossless (CD) pode ocupar quase metade do espaço de um álbum inteiro em MP3 (varia com a compressão, evidentemente).

E isto levanta outra questão. À semelhança do Spotify, o TIDAL também permite guardar faixas em modo offline (ou seja, para ouvir sem estar ligado à rede sem fios), o que vai ocupar espaço, provavelmente muito mais espaço do que a memória do seu smartphone ou tablet permite (considerando que, na altura da compra, a maioria dos utilizadores opta pela capacidade mínima de armazenamento, 8 ou 16 GB). Se anda sempre online e quiser utilizar o TIDAL em 3G ou 4G, tem a opção de reduzir a qualidade sonora para um formato comprimido (AAC 320). Caso contrário, prepare-se para atualizar a conta de dados móveis para um pacote superior (ou então pagar a conta extra).

No TIDAL não encontra apenas música. Além das 25 milhões de faixas disponíveis, oferece o acesso direto a 75 mil vídeos de música em alta definição, artigos, entrevistas e um sistema de curadoria de playlists. Em comunicado, a TIDAL esclarece que “todo o conteúdo editorial é organizado por jornalistas experientes e por convidados”. E no marketing, posiciona-se com distinção.

Este é claramente um serviço para ouvidos exigentes, “a música como os músicos gostavam que toda a gente a ouvisse”. Mas na prática, se o seu sistema de som do dia-a-dia é um smartphone e respetivos auriculares convencionais, ou então uma aparelhagem de gama média/baixa, não se justifica a diferença de preço entre o Spotify e o TIDAL. As subtilezas, importantes e valiosas, só se notam verdadeiramente quando o sistema de som (doméstico ou portátil) é capaz de tirar proveito disso, o que não acontece na esmagadora maioria dos casos.

Uma coisa é certa: se aprecia música com qualidade e não dá grande importância à caixa de plástico ou cartão, com o TIDAL nunca mais vai precisar de comprar um CD.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)