Ciência

Pão de algas ou implantes de escamas hoje no primeiro festival de Biotecnologia

109

Pão feito de algas sem adição de sal e gelado também de algas que baixa o colesterol podem ser experimentados no Pavilhão do Conhecimento, no primeiro Festival Nacional de Biotecnologia.

Autor
  • Agência Lusa

O festival, durante dois dias, destina-se a mostrar a investigação na área da biotecnologia que se faz em Portugal e a sua aplicação prática, explicou à Lusa fonte da organização, acrescentando que se trata de uma iniciativa internacional coordenada pela Association of Science-Technology Centers. O objetivo, acrescentou a fonte, é o de que haja Centros de Ciência em todo o mundo que façam festivais. O que hoje começa em Lisboa é o primeiro do género alguma vez feito, estando já marcados outros para a Bélgica e para o Japão.

No Pavilhão do Conhecimento estarão mais de 20 instituições que trabalham na área da biotecnologia, entre elas o Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE), que criou o pão de algas mas também um gelado de algas e kefir que já está a ser comercializado desde setembro de 2013.

O Centro de Engenharia Biológica da Universidade do Minho apresenta uma investigação que permite recuperar cerca de 95 por cento do fósforo e azoto da urina humana, para produzir eletricidade. E o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária tem medronheiros que produzem cogumelos.

O mundo da biotecnologia (a mistura da biologia, da engenharia e da química) presente no Pavilhão vai no entanto mais longe ainda, como implantes dentários feitos de escamas de peixe, novos antibióticos ou experiências sobre e com insetos, fungos, nematodes e bactérias, esporos e “probióticos” (bactérias benéficas para a saúde).

Tudo isso se pode ver. Ver por exemplo “como é que algumas partículas, de dimensão manométrica, compostas por lípidos, proteínas e polímeros, conseguem transportar e entregar o material genético de forma específica e eficiente às células-alvo”. Ou pode-se simplesmente testar o paladar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Natureza

Naturalmente

Ricardo Mendes Ribeiro

A natureza é resiliente, capaz de adaptar-se às asneiras que fazemos. O que não muda são as suas leis. Por isso, as tentativas de redefinir o ser humano mais tarde ou mais cedo chocam com a realidade

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)