Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A indústria têxtil pode estar à beira de uma revolução: em breve, as impressoras 3D vão permitir a produção de tecidos inovadores. Um vislumbre do que está para vir foi revelado na Techtextil, a feira mundial que reúne as inovações do setor. Realizada em Frankfurt, na Alemanha, a iniciativa atribui prémios às ideias mais originais, conta o jornal El Mundo. Conheça-as:

Na categoria de “Novas Tecnologias” a vencedora foi a empresa Sosa Fresh, criadora da 3DWeaver, uma impressora 3D que permite o fabrico de tecidos tridimensionais. A máquina consegue moldar a lã, dando-lhe volume, e misturando-a posteriormente com silicone, para que mantenha a forma e o tecido adquira flexibilidade. A máquina permite, por exemplo, a produção de solas de sapatos.

Conheça a 3DWeaver neste vídeo:

O prémio de “Novo Produto” foi atribuído ao Empa Research Institute pelo desenvolvimento de um bordado eletrónico, de prata ou titânio, que pode ser utilizado para visualizar eletrocardiogramas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na categoria de “Novo Conceito”, a Switch Embassy levou para casa o prémio. A empresa criou um display de LED lavável que pode ser utilizado em várias circunstâncias, desde roupa à decoração de interiores. Mas o segundo lugar também surpreendeu: o ITV Denkendorf Research Institute criou a BioGlizz, uma alternativa biológica para a neve artificial, fabricada à base de algas.

A “Melhor Aplicação” foi ganha pelo Instituto Hohenstein para a Inovação Têxtil, que criou o Artus, um tecido que se incorpora num protótipo de útero artificial para bebés prematuros. Os movimentos da mãe são reproduzidos pelo material e como o tecido não incorpora um circuito elétrico, não há risco de radiação para o bebé.

O prémio “Indústria e Sustentabilidade” foi atribuído à TU Dresden que criou uma tecnologia que permite tecer peças de fibra armada em diferentes formatos, para fabricar por exemplo, peças de automóveis mais leves.
Finalmente, o prémio “Novo Material” foi entregue à Sioen Industries por ter inventado um tecido marítimo que permite cultivar algas e biomassa alternativa.