O ministro da Economia, António Pires de Lima, entregou esta terça-feira na Procuradoria-Geral da República queixa contra um falso emissário que terá contactado o consórcio vencedor da reprivatização da TAP, a Gateway, e um responsável pelo processo de subconcessão do Metropolitano de Lisboa e da Carris “com o objetivo de obter para si vantagens económicas”.

Em comunicado, o gabinete do ministro informa que Pires de Lima foi “advertido, por pessoas das suas relações que reputa como idóneas e fidedignas, que um indivíduo, identificando-se como representante do Ministro da Economia, e alegando atuar em seu nome, ter-se-á aproximado de pessoas responsáveis pelo consórcio vencedor da reprivatização da TAP, bem como de um responsável direto pelo processo de subconcessão do Metropolitano de Lisboa e da Carris, pretensamente com o objetivo de obter para si vantagens económicas”.

No caso da TAP, segundo apurou o Observador, o homem que se fazia passar por membro do gabinete do ministro, terá feito tentativas reiteradas de extorsão de dinheiro a um empresário que faz parte do consórcio vencedor. No segundo caso, tentou obter informação privilegiada sobre a concessão do Metro e da Carris. Pires de Lima tomou conhecimento destas situações no final da semana passada.

“Esta situação lamentável, a que o Ministério da Economia é obviamente alheio, foi comunicada à Procuradoria-Geral da República para que as autoridades possam adotar todos os procedimentos legais que em seu juízo se mostrem adequados”, acrescenta a nota do Ministério da Economia, que garante ainda que “tudo fará para que as melhores práticas em matéria de transparência, lisura e rigor continuem a caracterizar os processos de privatização da TAP e das subconcessões dos serviços de transporte”.