Álbum

“Amália – As Vozes do Fado”. A homenagem com cabeça, tronco e membros

691

Nada foi deixado ao acaso no disco que reúne 13 canções de Amália cantadas por nomes como Camané, Ricardo Ribeiro, Ana Moura, Carminho e até Caetano Veloso. Ouça aqui algumas das canções.

A capa do disco é uma fotografia da obra que Vhils fez recentemente em calçada portuguesa

© Hugo Amaral/Observador

Autor
  • Sara Otto Coelho

Não haverá uma voz no fado mais homenageada do que Amália Rodrigues. Ainda assim, a chegada às lojas do disco Amália – As Vozes do Fado, esta sexta-feira, dificilmente fará alguém revirar os olhos e suspirar: “Mais uma?”. Ana Moura, Carminho, António Zambujo, Camané, Gisela João e Ricardo Ribeiro juntaram-se e dali nasceram 12 interpretações da mulher que deu de beber à dor. Celeste Rodrigues, irmã de Amália, fecha o álbum com chave de ouro.

Nada foi deixado ao caso nesta homenagem com cabeça, tronco e membros, idealizada pelo realizador luso-francês Ruben Alves. À cabeça surge logo a capa do disco, uma fotografia a partir do rosto da fadista esculpido pelo artista Vhils em calçada portuguesa, com a contribuição da Escola de Calceteiros da Câmara Municipal de Lisboa. A obra, que nasceu de um convite de Ruben Alves, mora, desde o dia 2 de julho, numa pequena praça sem nome, que fica entre a Rua de São Tomé e a Calçada do Menino de Deus, em Alfama.

“Foi com a voz de Amália que eu percebi o que era ser português, o meu país de origem”, disse o realizador do filme “A Gaiola Dourada”, na inauguração. Aceitou o desafio da Universal Music de França e começou a reunir os membros, ou seja, os fadistas que mais gostava de ouvir.

Com a cabeça e os membros, ficou a faltar o tronco. Ou seja, a seleção das canções. Esse trabalho de direção criativa também foi feito por Ruben Alves. “Eu pensei muito nas músicas que cada um deles podia cantar e propus-lhes”, contou agora ao Observador. A primeira canção de Amália – As Vozes do Fado é “Com que Voz”, editada originalmente em 1970. 14 anos antes de Carminho nascer.

O realizador selecionou as músicas “não por serem sucessos”, mas pelo que lhe transmitiam. A Ricardo Ribeiro pediu-lhe que cantasse a música que mais admira do repertório amaliano, “Grito”. “Foi ela que escreveu o poema e está lá tudo, sente-se uma vida inteira que passou”, disse.

Camané canta “Abandono”, Ana Moura tem “Maldição”, António Zambujo dá nova roupagem a “Estranha Forma de Vida” e Gisela João atira-se destemida a “Medo”. Há também “Instrumental”, momento a sós entre Ângelo Freire e a guitarra portuguesa.

Quem dorme à noite comigo
É meu segredo,
Mas se insistirem, lhes digo,
O medo mora comigo,
Mas só o medo, mas só o medo”

Ouça 90 segundos da canção “Medo“:


Quando Ruben endereçou o convite aos fadistas, houve uma reação transversal. “Todos tinham medo de homenagear a Amália. ‘Amália não se canta’. Como assim? Tem de se cantar!”, recordou.

A somar aos fadistas portugueses há ainda combinações improváveis à primeira vista. Os sons quentes da cabo-verdiana Mayra Andrade fundem-se com António Zambujo na canção “Não Sejas Francesa”. O angolano Bonga faz parelha com Ana Moura para darem vida à alegre “Valentim”. Ricardo Ribeiro une-se ao flamenco do espanhol Javier Limón em “Maria La Portuguesa”, que Carlos Cano compôs para Amália.

A Carminho coube-lhe ter a seu lado Caetano Veloso, nome maior da música popular brasileira, e que no passado já arriscou cantar fados de Amália. Os dois interpretaram “Naufrágio”, com poema de Cecília Meireles e música de Alain Oulman.

Ouça 90 segundos da canção “Naufrágio”:


Cabeça, tronco e membros. E alma. Amália – As Vozes do Fado é uma homenagem feita de canções que têm sentimento e voz própria, mesmo com a forma e a identidade com que a fadista vincou tudo o que cantou.

Amália escreveu “Faz-me Pena”, mas nunca chegou a gravar este fado de despedida, que Ruben Alves escolheu para encerrar o disco. Para cantar o poema trágico convidou a fadista Celeste Rodrigues, irmã mais nova de Amália, uma antítese da irmã no que ao fatalismo diz respeito. “Quando pedi à Celeste que a cantasse, ela questionou a escolha. ‘Porquê uma música tão triste? Eu quero viver!'”, recordou o realizador.

Mas é mesmo pela voz de Celeste Rodrigues que se faz a despedida de um projeto que fazia falta.

Adeus que chegou a hora
Há muito a venho esperando
E se por mim ninguém chora
Faz-me pena e vou chorando
Já vou embora
E se por mim ninguém chora
Faz-me pena e vou chorando”

Ouça 90 segundos da canção “Faz-me Pena”:

Depois do disco, Ruben Alves já tem novo projeto dentro do fado. “Estou a gravar um documentário sobre o fado, mas de forma mais alargada, incluindo como as novas gerações pegaram na canção”, disse. O realizador está neste momento a filmar com os fadistas e gente ligada ao fado. O documentário deverá estar pronto no final do ano.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)