Este grupo norte-americano de distribuição em linha espera tornar-se um ator relevante na utilização comercial dos drones, que ambiciona utilizar para entregas rápidas de pequenos embrulhos, o que designa por projet “Prime Air”. Gur Kimchi, vice-presidente que está encarregado do desenvolvimento deste projeto, apelou na terça-feira, ao intervir durante uma conferência, organizada na Califórnia pela NASA, à criação de uma zona aérea de “trânsito de alta velocidade”, num corredor entre os 61 e os 122 metros, para os ‘drones’ mais automatizados e melhores equipados, designadamente para evitar colisões. Este é o tipo de ‘drones’ que a Amazon espera poder utilizar para as suas entregas.

O projeto que apresentou prevê que o espaço aéreo até aos 61 metros seria reservado aos ‘drones’ menos sofisticados, bem como para os que são utilizados para videografia ou inspeções. Uma zona interdita a ‘drones’, entre os 122 e os 152 metros, serviria de tampão de segurança entre estes aparelhos e a maioria dos aviões de uso civil ou militar, que operam geralmente acima desta altura.