A britânica Adele não precisa de grandes apresentações: é autora de alguns dos temas mais ouvidos nos últimos anos, como “Rolling in deep” e “Skyfall”, apenas para dar dois exemplos.

Este domingo, os seus fãs tiveram direito a um cheirinho do que poderão ouvir já em novembro: o novo disco da cantora britânica. Tudo aconteceu durante o intervalo do programa Fator X, do Reino Unido. O ecrã televisivo ficou negro, primeiro, e começou depois a mostrar os versos que Adele ia cantando, sob os acordes de um piano. O tema deverá fazer parte do seu próximo disco, que, segundo alguns rumores, poderá sair no dia 20 de novembro. Quem já ouviu garante que é “uma loucura”.

A letra deste excerto, cantada pela poderosa voz de Adele, parece abordar uma dor de muitos anos que o tempo não ajudou a curar. Pode ser traduzida assim:

Olá, sou eu! / Estava a pensar se depois de todos estes anos / gostarias de te encontrar comigo para falarmos de tudo o que se passou. / Dizem que o tempo supostamente te cura / mas a mim não me curou grande coisa.

 A cantora britânica não lança um disco desde 2011, altura em que lançou 21 (a sua idade na altura), um álbum que se tornou entretanto o mais vendido deste século no Reino Unido, com mais de quatro milhões e meio de cópias comercializadas. Nos Estados Unidos as vendas atingiram mesmo mais de 11 milhões de cópias.

Segundo o Guardian, o novo trabalho terá a participação de vários nome relevantes na indústria musical, como Danger Mouse, Max Martin, Ryan Tedder (dos One Direction) e Tobias Jesso Jr., o jovem músico canadiano que Adele elogiou em janeiro, numa das raras publicações que fez este ano nas redes sociais.

A excepção nos elogios veio de Damon Albarn, vocalista dos Blur e líder dos Gorillaz, que também tem um projeto a solo. O britânico, que alegadamente havia colaborado com Adele no disco, afirmou em setembro ao The Sun que duvidava que a sua colaboração aparecesse realmente no disco, e disse ainda que o novo trabalho da cantora era “pouco ambicioso”. “A questão é: ela é muito insegura. E não tem de o ser, ainda é tão nova”, disse.