Todos os anos é a mesma história: alinhadas em cima do papel, as sardinhas portuguesas apresentam-se a concurso com o seu melhor fato. Vêm coloridas e lisboetas, e prontas para ganhar. Este ano, já se conhecem as cinco favoritas do júri, composto por Gisela João, Rita Blanco, Vhils, Nuno Markl e Rui Unas. Há um marinheiro de água doce, um Marco Paulo cheio de caracóis rodeado de guitarras portuguesas, manjericos e cravos.

Duas das vencedoras foram desenhadas por portugueses (Diogo Matos e Clara Leitao), e as restantes por autores vindos de outros países — do Brasil (Alessandra Cavalcanti), da Grécia (Olga Shtonda) e da Ucrânia (Natalie Mavrota).

O Concurso Sardinhas, organizado pela EGEAC, já é uma espécie de tradição lisboeta. A edição deste ano foi lançada em fevereiro e terminou a 16 de março. Como nos anos anteriores, as cinco sardinhas premiadas serão integradas na comunicação das Festas de Lisboa, que começam no próximo dia 1 de junho. Os vencedores levarão para casa um prémio no valor de dois mil euros.