Walt Disney

O primeiro momento gay da Disney na “Bela e o Monstro”

143

Depois de mais de 80 anos de produção de filmes, a Disney quebrou o preconceito e incluiu na nova versão do filme de "A Bela e o Monstro" um momento gay, interpretado por Josh Gad, no papel de LeFou.

Neste filme, a personagem de LeFou, empregado de Gaston, é caraterizada por estar numa luta constante contra aquilo que sente pelo seu superior

Depois de mais de 80 anos de história na produção de filmes, a Disney decidiu quebrar o preconceito e incluir na nova versão do filme de “A Bela e o Monstro” um momento gay, interpretado pelo norte-americano Josh Gad, na personagem de LeFou, conta o The Telegraph. O filme, com estreia marcada para 16 de março e protagonizado pelos atores Emma Watson, no papel de Bela, e Dan Stevens, no de monstro, quer abrir mentalidades em relação à homossexualidade e desmistificar o que, para muitos, ainda é um tabu.

Neste filme, a personagem de LeFou, empregado de Gaston, é caraterizada por estar numa luta constante contra aquilo que sente pelo seu patrão.

Já no leque de personagens do filme de animação original, lançado em 1981, LeFou era caraterizado por ser o infeliz ajudante de Gaston, um homem engatatão que, no meio dos seus truques de sedução, tinha Bela na mira.

Realizado por Bill Condon, o novo filme, que conta a história de uma jovem rapariga que aceita ficar presa com um monstro para salvar o seu pai, conta com um elenco de luxo, composto por Ewan McGregor (no papel do candelabro Lumiére), Luke Evans (o vilão Gaston), Emma Thompson (a chávena Mrs. Potts) e Ian Mc Kellen (o relógio Cogsworth).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Turquia

A solidão de Erdoğan /premium

Diana Soller

A Turquia é um Estado tampão que retém cerca de três milhões de refugiados – a maioria oriundos da Síria. Um gesto mais irrefletido de Erdoğan pode levar a uma crise sem precedentes na Europa.

Governo

O fracasso da geringonça /premium

Alexandre Homem Cristo

No domínio táctico, a geringonça foi uma vitória das esquerdas. No domínio político, não é mais do que a capitulação de PCP/BE em troca de acesso ao poder, mas nunca de real influência na governação.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)