O filho adotivo de Woody Allen e Mia Farrow, Moses Farrow, acusou a mãe de ter abusado “física e emocionalmente” dele próprio e dos irmãos e alegou que ela tinha mesmo “manipulado” a irmã Dylan a acusar o pai de abuso sexual. “Agora que já não vivo com medo da sua rejeição, sou livre de partilhar como ela me cultivou e lavou o cérebro”, disse o filho do cineasta e da atriz numa entrevista citada pelo New York Times.

Dylan Farrow, também filha adotiva do casal, denunciou numa carta aberta em 2014 que o cineasta tinha abusado dela quando era criança. A atriz Mia Farrow tinha feito as mesmas acusações em 1992, durante a batalha legal pela custódia dos filhos, mas o Woody Allen negou sempre as acusações e nunca chegou a ser condenado.

Enquanto que Dylan e Ronan (o único filho biológico do casal) defenderam a mãe, Moses foi o único a ficar de lado do pai. “Obviamente que Woody nunca abusou da minha irmã. Ela amava-o e estava sempre ansiosa para o ver. A Dylan nunca se escondeu do meu pai até que a nossa mãe começou a criar e alimentar um ambiente de medo e ódio contra ele”, diz Moses à revista People, três anos depois da carta aberta da sua irmã.

Foi recentemente lançado um novo livro sobre a carreira do cineasta e Mia Farrow emitiu uma declaração em resposta às acusações que constavam nesse livro. “Moses cortou relações com toda a sua família, inclusive com a sua ex-mulher que estava grávida quando ele saiu de casa. É desconcertante e assustador tudo o que se inventou, talvez para agradar a Woody. Todos o amamos [Moses] e o queremos por perto”, lia-se na declaração.

Woody Allen e Mia Farrow divorciaram-se em 1992, quando a atriz soube que o cineasta a tinha traído com Soon Yi – filha adotiva de Mia Farrow de um anterior casamento e que foi, durante um período, enteada do realizador. O casal celebra agora 25 anos juntos e já têm dois filhos adotivos.