Rádio Observador

Vhils

Exposição de Vhils em Paris vai ter 25 a 30 peças inéditas

A exposição do artista português Vhils no centro cultural Centquatre, em Paris, vai ter 25 a 30 peças inéditas. A nova exposição é inaugurada a 19 de maio.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O artista português Alexandre Farto (Vhils) vai expor no centro cultural Centquatre, em Paris, de 25 a 30 peças inéditas, algumas feitas no local, numa mostra que é inaugurada a 19 de maio, adiantou o próprio à agência Lusa. A exposição vai ter trabalhos de vários tipos, dimensões e suportes, mas “a maioria das obras são de grande escala”, disse o artista.

“Estamos a apontar para 25 a 30 peças, sendo que algumas são interativas e imersivas, são peças em grande escala. Estamos a falar de peças de escultura em que as pessoas podem entrar, algumas peças que precisam de alguma distância e altura. Vai haver peças de vídeo, vai haver pintura, escultura, vai ter vários ‘media’ diferentes”, descreveu à Lusa.

Vhils vai estar no Centquatre, um local que vê como “um espaço de referência” e que expôs, em 2013, obras de Keith Haring, um artista pioneiro do movimento de ‘street art’ nos Estados Unidos. Curiosamente, Vhils realizou, em 2014, um mural em frente a uma das obras de Keith Haring, a “Tower”, no Hospital Necker, em Paris.

O artista explicou que a exposição resulta de um longo trabalho de pesquisa e recolha de material sobre Paris, onde realizou “os primeiros projetos em 2010, 2011”, e que a mostra vai também fazer “a ponte com o trabalho de pesquisa que tem sido feito com outras cidades”, para “tentar fazer os pontos em comum e os pontos que diferem”, uma reflexão inerente ao seu trabalho.

Em Paris, Vhils apresentou as exposições individuais “Vestiges” e “Entropie”, na galeria Magda Danysz, em 2012 e em 2014, e esteve em várias mostras coletivas, como “Choices”, no Palais de Tokyo, em 2016, “#Street Art – L’innovation au coeur d’un mouvement”, no Espace Fondation EDF, em 2014, e “Ex Situ”, no Centro Pompidou, em 2013, entre outras.

O artista é um dos criadores inseridos no percurso de arte urbana do 13.º bairro de Paris, onde há mais de 50 murais monumentais, e fez parte do projeto “Tour Paris 13”, em que um prédio de nove andares, destinado à demolição, foi transformado num “museu de arte efémera” por cerca de 80 nomes internacionais de Arte Urbana.

Vhils inaugurou, a 22 de fevereiro, uma exposição em Los Angeles, nos Estados Unidos, onde também criou três murais, um dos quais em parceria com o norte-americano Shepard Fairey. Nascido em 1987, Alexandre Farto cresceu no Seixal, onde começou por pintar paredes e comboios com ‘graffiti’, aos 13 anos, antes de rumar a Londres, para estudar Belas Artes, na Central Saint Martins.

Captou a atenção a ‘escavar’ muros com retratos, um trabalho que tem sido reconhecido a nível nacional e internacional e que já levou o artista a vários cantos do mundo. Além de várias criações em Portugal, tem trabalhos em países e territórios como a Tailândia, Malásia, Hong Kong, Itália, Estados Unidos, Ucrânia, Macau e Brasil.

Em 2015, o seu trabalho chegou ao espaço, através da Estação Espacial Internacional, no âmbito do filme “O sentido da vida”, do realizador Miguel Gonçalves Mendes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)