Os EUA vão começar a aplicar tarifas às importações de aço e alumínio dentro de 15 dias, com o Canadá e o México excluídos “por agora” destes direitos aduaneiros, anunciou esta quinta-feira a Casa Branca.

O anúncio foi feito pouco tempo antes de o presidente norte-americano, Donald Trump, assinar os documentos relativos à aplicação de uma tarifa aduaneira de 25% às importações de aço e de 10% às de alumínio. A administração americana cumpre assim a ameaça, mas deixando de fora, para já, os parceiros comerciais da América do Norte, até avaliar o progresso nas negociações para um novo acordo de comércio.

Outros países com uma relação “de segurança” com os Estados Unidos podem tentar negociar isenções com a administração ou vias alternativas que permitam proteger a indústria norte-americana. Esta abertura representa uma evolução em relação ao anúncio inicial que visava todos os países.

“Se não temos aço, não temos país. As nossas indústrias tem sido atingidas durante anos e anos, décadas, por práticas injustas de comércio internacional que levaram ao encerramento de fábricas, ao despedimento de milhões de trabalhadores e à destruição de comunidades inteiras. E isso vai acabar.”

As justificações foram dadas pelo Presidente americano na cerimónia na Casa Branca que assinalou a formalização das novas taxas, uma medida que vai de encontro às promessas que fez na campanha de proteger a indústria americana e os seus operários.

A União Europeia já prometeu uma resposta à altura da iniciativa americana.

Europa ameaça retaliar contra Harley-Davidson, Levi’s e whiskey americano por causa de taxas de Trump