Videojogos

Kirby Star Allies: para jogar com companhia

Kirby Star Allies é a primeira chegada do simpático personagem cor-de-rosa da Nintendo à Switch, num jogo para partilhar no sofá com família e amigos.

Kirby regressa às consolas domésticas da Nintendo, agora com a possibilidade de ser jogado por até 4 pessoas.

Autor
  • Rubber Chicken

Kirby pode não ter o mesmo reconhecimento massivo das outras mascotes da Nintendo — e há mesmo quem o confunda com um Pokémon, mas a simpática bola cor-de-rosa criada em 1992 por Masahiro Sakurai é uma das grandes marcas da gigante nipónica. Depois da série principal de Kirby ter “saltado” a presença na geração anterior de consolas da Nintendo, Kirby Star Allies é o novo exclusivo a chegar à Nintendo Switch.

Podemos dizer de forma pacífica que o catálogo da Nintendo é bastante familiar. Mas de todas as séries de plataformas que possuem, como Super Mario ou Donkey Kong, é indiscutível que a mais acessível, e consequentemente a mais direccionada para o público infantil é Kirby.

Kirby é um personagem único, dentro do seu mundo colorido e simpático, onde até os vilões são menos assustadores do que qualquer antagonista dos videojogos. A capacidade que ele tem de engolir os inimigos e absorver-lhes os seus poderes tem sido a base de quase todos os títulos desde o lançamento do segundo jogo em 1993. O level design desta série costuma ser acessível o suficiente para que possa ser ultrapassados sem que exista uma barreira etária. O seu desafio adicional passa por conteúdo opcional, onde temos de resolver mini-puzzles com os poderes que copiámos dos inimigos para chegar a zonas aparentemente inacessíveis de cada nível. Uma camada adicional de jogabilidade criada desde muito cedo pelo estúdio HAL Laboratory e pela Nintendo para introduzir um elemento de apelo ao público mais velho, e cuja facilidade base de Kirby pouco pode apelar.

Apesar de seguirmos de perto a série principal e todos os lançamentos, percebemos que pouca margem existe para sair desta fórmula tão estanque, com pequenos laivos de inovação como a introdução de um robô conduzido pelo Kirby em Planet Robobot ou a introdução de novos poderes assimiláveis. Aos estúdios que se debruçam sobre Kirby resta alguma possibilidade de experimentação apenas nos spinoffs, como Kirby Epic Yarn, no qual todo o mundo é feito à base de lã ou os jogos de puzzle como Rainbow Curse. Para tudo o resto, sabemos exatamente o que esperar de um jogo da mascote cor-de-rosa.

A solução para criar algo minimamente diferente passava por aproveitar as possibilidades da Nintendo Switch de partilha com outros jogadores localmente, e foi nesse sentido que o estúdio HAL Laboratory direcionou este Kirby Star Allies. A possibilidade de se jogar um Kirby “principal” em modo cooperativo não é novidade, e já em 2004 Kirby & the Amazing Mirror o tinha como característica. É claro que à época as limitações tecnológicas do Game Boy Advance (onde esse jogo foi lançado) esta partilha em modo cooperativo obrigava a que os outros jogadores também possuíssem uma consola só para si e que tivessem o seu próprio cartucho do jogo. Kirby Star Allies permite-nos dividir o jogo com até mais três pessoas localmente sem termos de ter consolas adicionais, basta-nos que tenhamos Joy-Cons suficientes para todos e todos passam a partilhar a mesma consola.

Em Kirby Star Allies o protagonista nunca anda sozinho. Para além da possibilidade de engolir e copiar as habilidades dos inimigos, o herói cor-de-rosa consegue agora atirar corações sobre alguns adversários para que eles se tornem seus amigos e que o sigam. São estes “novos amigos” que os jogadores que se juntem a nós passam a controlar, seguindo em fila indiana pelos níveis coloridos e divertidos, mas com relativa independência de movimentos e ações.

A outra introdução a este “companheirismo” de Kirby é a possibilidade de os diversos personagens combinarem as suas habilidades para ultrapassarem alguns obstáculos. Como experimentámos passar o jogo sozinhos com o computador a controlar os restantes personagens (e também em cooperação com uma criança a controlar um dos amigos de Kirby), foi possível avaliar o desempenho da inteligência artificial a ajudar-nos a resolver puzzles. Foi surpreendente perceber que o computador consegue, por exemplo, combinar o seu poder com um personagem que controle o fogo para poder derreter um bloco de gelo que nos bloqueie o caminho. A inteligência artificial tinha inteligência suficiente (passando a redundância) para ajudar em combinações mais complicadas, permitindo que Kirby Star Allies seja divertido de jogar até com três amigos de Kirby a serem controlados pelo computadores, ao invés de humanos.

O grande problema de Kirby Star Allies é a sua superficialidade. Os jogos principais de Kirby são destinados a públicos de todas as idades, mas com isso sacrificam alguma da possível complexidade e até longevidade. É um jogo curto que consegue trazer uma camada interessante com o Kirby a ser auxiliado constantemente por mais três personagens, mas que parece conseguir fazer pouco com essa “inovação”. E se quase todos os seus jogos não são muito desafiantes, este é possivelmente o mais fácil de todos, onde até os objetivos opcionais são de resolução quase imediata.

Kirby Star Allies é um jogo divertido, destinado ao público familiar, e ótimo para ser partilhado entre pais e filhos. Apesar da boa ideia de tornar a série cooperativa, esta falha em conseguir criar um desafio que nos mantenha investidos no jogo, o simplismo e a falta de conteúdo e longevidade tornam-no difícil de aconselhar para os 59,99 euros que custa. Especialmente quando, em termos de exclusivos familiares, a Nintendo Switch tem nestes 13 meses de vida ofertas muitos melhores que justificam a aposta e o investimento.

Ricardo Correia, Rubber Chicken

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)