Cristiano Ronaldo está entre os 10 nomeados para o prémio The Best da FIFA, que distingue o melhor jogador de futebol do ano. Neymar caiu fora da lista, depois de estar nomeado no ano passado. Também já são conhecidos os 11 nomeados para treinador do ano da FIFA, numa lista divulgada esta terça-feira pelo órgão que tutela o futebol internacional e que, pela primeira vez, não conta com treinadores portugueses no lote dos eleitos.

Cristiano Ronaldo, que trocou recentemente o Real Madrid pela Juventus e que venceu as duas únicas edições da distinção até ao momento (não fazer confusão com a Bola de Ouro atribuída pela France Football), está nomeado pela terceira vez consecutiva e é um dos favoritos à conquista do prémio. A ausência do jogador mais caro do mundo, Neymar, cujo passe custou cerca de 220 milhões de euros ao Paris Saint-Germain, é um dos maiores destaques desta lista que conta com dez nomes ao invés dos habituais 23. A presença de Harry Kane, avançado do Tottenham e da seleção inglesa é, provavelmente, a inclusão mais surpreendente.

Entre os dez candidatos, e para além dos já habituais Cristiano Ronaldo e Lionel Messi, encontram-se três atletas franceses campeões do mundo (Griezmann, Mbappé e Varane) e o croata Luka Modric, campeão europeu de clubes pelo Real Madrid e finalista vencido no Mundial. Eden Hazard e Kevin de Bruyne, astros maiores da semi finalista Bélgica, e dos ingleses Chelsea e Manchester City, respetivamente, são outros dos virtuosos presentes na lista, que conta ainda com a presença do egípcio Mohamed Salah, melhor marcador da Premier League e finalista vencido da Liga dos Campeões ao serviço do Liverpool. Varane é o único defesa presente na lista, que não conta com qualquer guarda-redes.

A lista dos nomeados foi elaborada por ex-estrelas do futebol mundial, como os brasileiros Kaká e Ronaldo ou as antigas figuras do Chelsea Didier Drogba e Lampard, entre muitos outros. Nas próximas semanas, a lista será reduzida a três nomes, antes de, a 24 de setembro, na Gala da FIFA, ser anunciado o vencedor. De agora em diante, serão os capitães das seleções nacionais, os selecionadores, os adeptos e os jornalistas quem decidirá a evolução da lista até ao vencedor final, com cada um dos setores a ter 25% da votação final.

Também a lista dos 11 melhores treinadores foi anunciada e, entre os nomeados, estão cinco selecionadores em destaque no Mundial da Rússia, com especial atenção para o campeão do mundo pela França, Didier Deschamps. Os semi finalistas Zlatko Dalic, selecionador croata, Roberto Martinez, treinador da Bélgica, e Gareth Southgate, inglês, também mereceram um lugar na lista, assim como o selecionador da seleção anfitriã, o russo Stanislav Cherchesov.

Da Premier League surge Pepe Guardiola, campeão inglês pelo Manchester City, e Jürgen Klopp, finalista vencido da Liga dos Campeões no banco do Liverpool. O campeão europeu e ex-técnico do Real Madrid, Zinedine Zidane, também se encontra na lista, com a companhia do campeão espanhol ao serviço do Barcelona, Ernesto Valverde, e do próximo treinador de Cristiano Ronaldo, o treinador da heptacampeã italiana Juventus, Massimiliano Allegri.

Desde 2010, ano da criação deste troféu, houve sempre treinadores portugueses entre os eleitos: José Mourinho venceu a primeira edição (único português a conquistar o prémio) e só ficou de fora em 2016, ano em que Fernando Santos foi nomeado e ficou na terceira posição; em 2017, pela única vez, Portugal contou com dois treinadores na lista, José Mourinho e Leonardo Jardim.

Os candidatos ao treinador do ano já foram anunciados, mas a FIFA promete para hoje novas revelações quanto aos prémios The Best – nova nomenclatura para a distinção -, com as nomeações para melhor jogador do ano a serem anunciadas durante a tarde de hoje. Os vencedores serão anunciados apenas em setembro. 

Confira a lista dos onze nomeados para melhor treinador do ano: