O ator Robert Redford anunciou o fim da carreira. Numa entrevista à revista Entertainment Weekly, o ator de 81 anos confirmou que se vai retirar do cinema. O norte-americano já tinha anunciado a intenção de se reformar há dois anos: na altura, disse que deixaria de trabalhar depois de terminar os dois filmes que ainda tinha em produção, “Our Souls at Night”, que saiu em 2017, e “The Old Man & The Gun”, que estreia a 28 de setembro.

Nunca vou dizer nunca, mas concluí que é isto para mim em termos de representação e vou avançar para a reforma depois disto [o último filme] porque ando a fazer isto desde que tenho 21 anos. E pensei: ‘Bem, já chega'”, disse o ator, que completa 82 anos daqui a poucos dias.

Em 2016, quando disse pela primeira vez que iria deixar de trabalhar quando terminasse os dois últimos filmes, Robert Redford confessou que estava “a ficar cansado de representar” e fazer “take atrás de take atrás de take“. Ainda assim, o ator norte-americano não coloca de parte a hipótese de continuar a realizar: “Vamos ver”, disse à Entertainment Weekly.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A carreira do ator norte-americano começou nos anos 50 no teatro: estreou-se na Broadway, em Nova Iorque, e saltou para a televisão e para o grande ecrã já nos anos 60. O primeiro filme em que entrou, “Tall Story”, foi também a estreia de Jane Fonda no cinema – Redford e Fonda, duas figuras icónicas da representação nas últimas décadas do século XX, voltariam a encontrar-se noutros quatro filmes. Venceu o primeiro Globo de Ouro em 1965, quando encarnou o papel de uma estrela de cinema bissexual em “Inside Daisy Clover”.

Depois do sucesso inicial, o ator começou a rejeitar o estereótipo de protagonista masculino em histórias românticas e recusou papéis nos sucessos “Quem Tem Medo de Virginia Woolf?” e “A Primeira Noite”. Encontrou o espaço que queria em 1969, com “Butch Cassidy and the Sundance Kid”, que marcou também a primeira vez que contracenou com Paul Newman. O filme foi um enorme sucesso e tornou-o uma verdadeira estrela de cinema, pretendida pelos principais realizadores e argumentistas.

Marcou os anos 70 com os papéis em “The Way We Were”, onde formou par romântico com Barbra Streisand, “A Golpada”, que lhe valeu uma nomeação para o Óscar de Melhor Ator e onde voltou a contracenar com Paul Newman e “Os Homens do Presidente”, onde representou Bob Woodward, um dos jornalistas que revelou o escândalo Watergate.

Estreou-se na realização nos anos 80, com “Ordinary People”: o filme venceu os Óscares de Melhor Filme, Melhor Realizador para Robert Redford, Melhor Atriz Secundária e Melhor Argumento Adaptado. Cinco anos depois, protagonizou “África Minha” ao lado de MerylStreep– um dos maiores êxitos de bilheteira da década – e carimbou uma série de seis filmes com o realizador Sydney Pollack.

Já nos anos 90, realizou “As Duas Vidas e o Rio”, que trouxe atenção a um ainda jovem Brad Pitt, e entrou em “Proposta Indecente” e “Up Close & Personal” ao lado de Demi Moore e Michelle Pfeiffer, respetivamente. Reencontrou Jane Fonda no penúltimo filme onde trabalhou, “Our Souls At Night”, e aparece nos cinemas pela última vez em setembro, com “The Old Man & The Gun”, onde contracena com Casey Affleck e Elisabeth Moss.

Casou com Lola Van Wagenen, que desistiu da universidade para ficar com o ator, em 1958. Tiveram quatro filhos entre 1959 e 1970: o primeiro, Scott Anthony, morreu com apenas dois meses com síndrome de morte súbita infantil; a mais nova, Amy, seguiu as pisadas do pai e entrou em séries como “O Sexo e a Cidade” e “Os Sopranos”. O casal divorciou-se em 1985. Em 2009, já com 73 anos e sete netos, Robert Redford voltou a casar com a companheira de longa data, Sibylle Szaggars. Em 2016, o ator norte-americano recebeu a Medalha da Liberdade das mãos do então presidente dos Estados Unidos Barack Obama.