Videojogos

“Super Mario Party” é festa certa para toda a família

A série familiar Mario Party viu chegar à Switch o seu mais recente título. Super Mario Party surge 20 anos depois de a Nintendo ter feito a primeira interpretação de um jogo de tabuleiro.

Super Mario Party é o primeiro jogo da série a chegar à Switch e o primeiro a não ser numerado no título.

Autor
  • Rubber Chicken

Já passaram 20 anos desde que a Nintendo decidiu pegar na sua mascote e levá-la para o ambiente dos jogos de festa e de tabuleiro. Mario Party, lançado na Nintendo 64 em 1998, pode não ser a primeira interpretação de um jogo de tabuleiro em videojogo, mas foi sem dúvida aquela que definiu o que o género deveria ser.

Desde esse primeiro jogo que todas as consolas domésticas (e até as portáteis, desde o Game Boy Advance) da Nintendo tiveram uma ou duas entradas da série de party games no seu catálogo. Foi com pouca surpresa que foi anunciado Super Mario Party, o 11º jogo da série, depois de algumas iterações mais banais da série nos últimos dez anos temos agora acesso a um dos melhores títulos de festa com o Mario.

De todos os Mario Party, lançados tanto para as consolas domésticas como para as portáteis da Nintendo, a maioria acrescentou muito pouco à fórmula base. Um tabuleiro digital onde os diversos jogadores competem para serem os primeiros a chegar à última casa ou a recolher o maior número de estrelas e moedas. Pelo meio, uma variedade de mini-jogos divertidos que demonstram a criatividade das diversas equipas afetas ao seu desenvolvimento, ao longo dos últimos 20 anos.

A qualidade e a diversidade dos mini-jogos é um ponto tão importante que a última entrada na série surgiu no final do ano passado na 3DS compilando os melhores 100 mini-jogos em 19 anos de História, com upgrades visuais no caso dos mais antigos. Mas entre este best of e os títulos principais que saíram para a Wii e Wii U (respetivamente Mario Party 9 [2012] e 10 [2015], o resultado acabou por serem jogos medianos que não representavam o verdadeiro potencial destes party games. Mesmo com a utilização de motions controls e de jogabilidade assimétrica na Wii U, na qual um jogador controlava o Bowser e jogava contra os outros três, há muito que Mario Party não era sinónimo de um jogo verdadeiramente obrigatório.

Felizmente, isso mudou. Super Mario Party decidiu olhar para a sua história e perceber em que fases é que criou momentos relevantes para o mercado familiar e casual de videojogos. E a resposta foi um retorno à simplicidade do tabuleiro de jogo, mas pensado numa lógica contemporânea.

O tabuleiro já não é apenas um terreno estático e numerado, mas um nível por si só, dinâmico e com diversos elementos impossíveis de reproduzir num jogo físico. Ou seja, Super Mario Party consegue tornar-se um bom jogo de tabuleiro em videojogo por querer ser mais do que uma mera tradução de um para o outro, aproveitando as potencialidades de ambos os media para criar uma experiência única e divertida.

Os novos mini-jogos têm uma diversidade vasta, que aproveita o historial da própria série, entre alguns que opõem ou unem todos os jogadores entre si, passando por momentos de dois contra dois ou a assimetria de um contra três. Jogos curtos, imaginativos e divertidos que aproveitam as potencialidades dos Joy-Cons da Nintendo Switch.

Neste modo clássico de tabuleiro, a escolha dos personagens não é apenas uma decisão visual, cada um possui um dado de seis lados próprio, diferente dos restantes, com valores distintos entre si. A somar a isto, encontramos as “casas” de aliados no tabuleiro que nos garantem companhia, cada um com o seu próprio dado, cujos valores rolados somam ao nosso dado, permitindo-nos avançar mais passos.

Uma das críticas que têm surgido em torno de Super Mario Party é a dependência de jogarmos com os comandos destacados da consola, impedindo-nos de o jogar em modo portátil. Mas, olhando para o que este jogo é e o uso que faz das vibrações e dos motion controls dos Joy-Cons, é óbvio que foi desenvolvido como um jogo de sala, multi-jogador (ou não). A utilização total das características únicas dos comandos é feita sob sacrifício do jogo não poder ser verdadeiramente portátil. O que neste caso, e perante a qualidade e inteligência dos muitos mini-jogos aqui presentes, é um pequeno preço a pagar.

Além do modo clássico de jogo tabuleiro, Super Mario Party possui ainda outras possibilidades para jogar em grupo. O primeiro deles, e um dos mais divertidos é o modo cooperativo Down the River, em que os jogadores têm de se coordenar para remar um bote rio abaixo, desviando-se dos obstáculos e tentando chegar ao fim do curso da água antes que o tempo se esgote. Para aumentar o cronómetro, temos de vencer diversos mini-jogos cooperativos que nos vão adicionando segundos ao contador.

Pelo meio temos ainda um modo de festa dedicado a jogos de ritmo e uma das grandes novidades neste Super Mario party que é transformar a própria consola numa tablet para ter em cima da mesa, à qual podemos colocar uma segunda consola contígua permitindo à imagem estender-se pelos ecrãs das duas plataformas. Uma possibilidade aqui presente, não muito explorada, mas que abre as portas para este tipo de soluções criativas no futuro.

Super Mario Party é o derradeiro party game das consolas atuais, um jogo obrigatório para todos os possuidores de uma Nintendo Switch, e aquele que fará as delícias de pequenos e graúdos num título divertido e diversificado para toda a família.

Ricardo Correia, Rubber Chicken

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Nem 1% de verdade /premium

Alexandre Homem Cristo

O governo tem uma relação de indiferença para com a verdade, dizendo o que em cada momento convém dizer e atrevendo-se até a lançar números falsos se isso, na ocasião, lhe valer elogios e manchetes.

Livros

Livros para o Natal (I) /premium

João Carlos Espada

Seis sugestões de livros que são também leituras que desafiam os dogmas politicamente correctos hoje dominantes entre nós.

Educação

Mais vale acabar

João Pires da Cruz

Damos atenção aos direitos de todos menos aos daqueles que são mais preciosos, os nossos filhos. Gastamos dinheiro em tudo, menos no que é impossível substituir, o tempo das nossas crianças aprenderem

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)