Museus

Bilheteiras automáticas alargadas a mais quatro monumentos em 2019

As bilheteiras automáticas do Mosteiro dos Jerónimos e Museu Nacional da Arqueologia vão ser alargadas em 2019 à Torre de Belém, mosteiros de Alcobaça e Batalha e ao Convento de Cristo.

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

As bilheteiras automáticas do Mosteiro dos Jerónimos e Museu Nacional da Arqueologia vão ser alargadas em 2019 à Torre de Belém, mosteiros de Alcobaça e Batalha e ao Convento de Cristo, disse esta quinta-feira a diretora-geral do Património Cultural (DGPC).

“Este novo modo de vender bilhetes foi um concurso público internacional que prevê a instalação de mais [bilheteiras automáticas] nos três Patrimónios da Humanidade da região Centro (Convento de Cristo,em Tomar, Mosteiro da Batalha e Mosteiro de Alcobaça) e na Torre de Belém”, afirmou Paula Silva à agência Lusa.

As bilheteiras automáticas do Mosteiro dos Jerónimos e no Museu Nacional de Arqueologia estão a funcionar “muitíssimo bem”, adiantou a responsável, no final do primeiro dia de entrada em funcionamento. “A fila que existia ficou muitíssimo pequena e, portanto, melhorou muito o tempo de permanência na fila para comprar bilhete”, concretizou a diretora-geral do Património Cultural.

A responsável falava em Mafra à margem da apresentação de uma miniatura do Palácio Nacional, o primeiro monumento tutelado pela DGCP a ter uma maquete construída a partir de tecnologia laser usada pelos arquitetos na reprodução tridimensional de edifícios já existentes.

O Mosteiro dos Jerónimos e o Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, passaram a ter, esta quinta-feira, bilheteiras automáticas. Estes dois serviços na tutela da DGPC serão os primeiros a ter bilhetes de entrada vendidos através de cinco máquinas de bilhética automática, instaladas no átrio de entrada do Museu Nacional de Arqueologia, que funciona no edifício do mosteiro.

As máquinas automáticas aceitam pagamento com dinheiro e também com cartões de crédito e de débito, cuja utilização o Ministério da Cultura pretende incentivar. Redução das filas de espera junto às bilheteiras, uma melhor gestão dos recursos humanos afetos aos espaços, maior segurança e o controlo rigoroso das receitas são algumas das vantagens que a DGPC pretende alcançar com este sistema. Os bilhetes contemplam as diferentes tipologias em vigor, incluindo os descontos previstos legalmente, como estudantes, seniores e crianças.

Em outubro, uma greve de três dias convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas obteve uma adesão total dos trabalhadores nos Jerónimos, Museu Nacional de Arqueologia e Torre de Belém, onde diariamente se registam longas filas de visitantes à entrada. Os trabalhadores queixavam-se de incapacidade para dar vazão à afluência de visitantes, falta de condições de trabalho e exaustão.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)