Rádio Observador

Arte

Quatrocentos alunos de 19 escolas abrangidos por residências do Plano Nacional das Artes

323

Quatrocentos alunos de 19 escolas do primeiro ciclo vão ser abrangidos por residências artísticas de sete organismos de música, teatro e bailado, no âmbito do Plano Nacional das Artes, em 2019.

ERIK S. LESSER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Quatrocentos alunos de 19 escolas do primeiro ciclo vão ser abrangidos por residências artísticas de sete organismos de música, teatro e bailado, no âmbito do Plano Nacional das Artes, em 2019, de acordo com o programa divulgado esta terça-feira, em Lisboa.

“Uma sociedade mais justa e inclusiva não se constrói sem Cultura”, defendeu a secretária de Estado da Cultura, Ângela Ferreira, em declarações à Lusa, no dia da apresentação da iniciativa.

Para a governante, “é no cruzamento entre cultura e educação que se promove a criatividade e o pensamento livre e, mais do que tudo, que se permite às crianças e aos jovens olharem para si mesmos e descobrirem a imprevisível aventura da vida”.

“O papel do Estado deve também ser o de proporcionar encontros entre artistas e públicos, fazendo da formação um processo de aprendizagem mútuo”, já que os processos artísticos são essenciais, não só para os artistas compreenderem o mundo que os rodeia, mas também para as crianças entenderem que a criação contemporânea não é distante da sua realidade”.

Por seu turno, o secretário de Estado da Educação realçou o facto de o programa este ano abranger mais escolas e mais municípios, sublinhando tratar-se de uma iniciativa que “dá solidez” além de operacionalizar o reforço da educação artística inscrita no novo diploma do currículo, alcançando desafios previstos no Perfil dos Alunos.

“Tudo isto na certeza de que a fruição estética e a educação artística não são elementos acessórios no processo educativo”, já que a educação sem arte “é incompleta”, pois esta é “um instrumento de humanização e de liberdade”, defendeu João Costa.

Trata-se da segunda edição das Residências Artísticas nas escolas, que são apresentadas esta terça-feira no Teatro Nacional de S. Carlos (TNSC) pelos secretários de Estado da Cultura, Ângela Ferreira, e da Educação, João Costa, ao abrigo da qual os alunos têm aulas de música, bailado e teatro.

Orquestra Sinfónica Portuguesa, Coro do TNSC, Companhia Nacional de Bailado, Teatro Nacional D. Maria II, Teatro Nacional S. João, Casa da Música e Orquestra Clássica do Sul são os organismos que este ano aderiram à iniciativa.

Na primeira edição, apenas a Orquestra Sinfónica Portuguesa era parceira na iniciativa, que abrangeu cinco municípios e cem alunos.

As residências artísticas deverão realizar-se no 2.º e 3.º períodos escolares, do ano letivo em curso, abrangendo, pelo menos, um agrupamento de escolas por município.

O programa é uma iniciativa dos Ministérios da Cultura e da Educação, operacionalizada pelo Programa de Educação Estética e Artística da Direção-Geral da Educação, e visa integrar as diferentes formas de arte em contexto escolar, de modo a aproximar as crianças da cultura.

Em 2018, músicos da Orquestra Sinfónica Portuguesa deram aulas durante uma semana a alunos de cinco municípios – Loulé, Sines, Viseu, Freixo de Espada à Cinta e Barcelos. O projeto-piloto realizou-se em 2017, no Agrupamento de Escola de Caxinas, Vila do Conde.

Na edição de 2019, a segunda, os municípios abrangidos são os de Viana do Castelo, Barcelos, Vila do Conde, Freixo de Estada à Cinta, Moimenta da Beira, Viseu, Penela, Pedrógão Grande, Castanheira de Pera, Idanha-a-Nova, Torres Vedras, Loures, Sintra, Lisboa, Cascais, Almada, Sines, Moura e Loulé.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)