Rádio Observador

Fotografia

Morreu George Mendonsa, o marinheiro filho de portugueses que protagonizou a fotografia icónica em Times Square

13.142

Na foto icónica, George Mendonsa surge a dar um beijo a uma enfermeira em Times Square, no final da II Guerra Mundial. Filho de portugueses, morreu este domingo, aos 95 anos.

A fotografia a preto e branco em que o antigo marinheiro ficou conhecido foi tirada a 14 de agosto de 1945 por Alfred Eisenstaedt no fim da II Guerra Mundial

Alfred Eisenstaedt

George Mendonsa, o marinheiro que protagonizou a famosa fotografia onde surge a beijar uma enfermeira em Times Square, Nova Iorque, morreu este domingo aos 95 anos. Segundo as informações fornecidas pela filha do marinheiro ao Providence Journal, Mendonsa caiu num centro de dia em Middletown, onde vivia com a sua mulher, tendo de seguida uma paragem cardíaca.

A fotografia a preto e branco que tornou famoso o antigo marinheiro foi tirada a 14 de agosto de 1945 por Alfred Eisenstaedt, no fim da II Guerra Mundial, anunciada com a rendição do Japão. Nesse momento, Mendonsa agarra uma enfermeira pela cintura e beija-a em plena Times Square. A imagem foi publicada na revista “Life” e correu meio mundo, tornando-se numa das fotografias mais icónicas do século XX. No entanto, a fotografia não se livrou de algumas polémicas: com o passar dos anos foram surgindo várias questões relacionadas com a identidade dos seus protagonistas (Mendonsa sempre garantiu que era o marinheiro da fotografia) e até mesmo acusações de assédio sexual.

Desde que a fotografia foi publicada em 1980, imensos pares identificaram-se como os protagonistas da imagem — 11 homens e três mulheres. Contudo, uma investigação de uma professora de história, Lawrence Verrie, apontou o filho de emigrantes portugueses George Mendonsa e a austríaca Greta Friedman, que morreu em 2016, como o casal mais provável. A história é narrada no livro “The Kissing Sailor” (em português, “O Beijo do Marinheiro”) publicado em 2012.

Os dois protagonistas da história não se conheciam no momento do beijo. Greta era uma assistente de um dentista que foi a Times Square para confirmar as notícias do fim da guerra e Mendonsa era um marinheiro de uma família de pescadores portugueses que estava num encontro com Rita Petrie — aquela que, mais tarde, viria a ser a sua esposa e que surge atrás do casal na imagem. Terá sido Mendonsa que, do nada, agarrou na enfermeira e deu-lhe um beijo, arrebatado pela alegria com a vitória dos EUA.

Foi, aliás, por causa disso que a fotografia também se tornou polémica devido a algumas acusações de assédio sexual. “Aquele homem chegou, agarrou-me e deu-me um beijo. Era apenas alguém a festejar muito. Não foi algo romântico”, disse, em 2005, Greta Friedman. De seguida, Mendonsa explicou o que fez: “Estava entusiasmado com o fim da guerra, além de que já tinha bebido uns copos. Quando vi a enfermeira, agarrei-a e beijei-a”, disse na mesma altura.

George Mendonsa faria 96 anos esta terça-feira. Deixou a sua mulher e dois filhos. “Ele estava muito orgulhoso do seu serviço, da fotografia e do que ela representava. Durante muitos anos, foi uma parte importante da sua vida”, referiu a filha, Sharon Molleur à NBC News.

(Artigo atualizado às 12h54 do dia 19 de fevereiro)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)