Rádio Observador

Michael Jackson

Diana Ross defende Michael Jackson: “Acredito e confio que era uma força incrível e magnífica”

"STOP IN THE NAME OF LOVE", escreveu a cantora e antiga líder dos Supremes. Muito próxima de Michael Jackson em vida, "Ms. Ross" foi até incluída no testamento do cantor e acredita na sua inocência.

Antes de firmar uma carreira a solo, Diana Ross foi vocalista dos Supremes, uma das bandas mais importantes da Motown e da música soul e pop dos EUA

Getty Images for The Recording A

A cantora norte-americana de 74 anos Diana Ross, que foi muito próxima de Michael Jackson quando este era vivo — gravou duetos com ele, cantou canções suas e foi uma das artistas mais próximas do autor de “Thriller”, tendo-o conhecido quando ele ainda era menor de idade — veio em sua defesa este domingo. Numa publicação na rede social Twitter, a antiga vocalista dos Supremes e figura de referência da soul norte-americana escreveu:

Isto é o que o meu coração está a dizer-me esta manhã. Acredito e confio que o Michael Jackson era e é um força incrível e magnífica para mim e para muitos outros. STOP IN THE NAME OF LOVE.”

A última expressão, que em português significa “parem, em nome do amor”, faz referência a uma antiga canção dos Supremes com o mesmo título. Nos comentários ao tweet, os utilizadores dividem-se entre o apoio e as críticas a Diana Ross, que foi até incluída no testamento de Michael Jackson como guardiã legal dos seus três filhos em caso de morte de Michael e da sua mãe Katherine.

Michael Jackson numa ponta, Diana Ross na outra. Ao centro, o então presidente norte-americano Bill Clinton (@ CHRIS WILKINS/AFP/Getty Images)

O cantor que era também chamado de “rei da pop” foi o principal alvo de um documentário recente da produtora HBO chamado “Leaving Neverland”. No filme, que está dividido em dois capítulos, o cantor é acusado de ter abusado sexualmente de dois rapazes, James Safechuck e Wade Robson. As acusações são feitas pelos próprios e pelas suas famílias.

Há 26 anos, Michael Jackson, que morreu em 2009, tinha sido acusado de ter abusado sexualmente de um outro rapaz, “Jordy” Chandler. O caso, que motivou muita polémica e debate, acabou por ser resolvido com um acordo extrajudicial. A família de Chandler retirou as acusações e Michael Jackson pagou uma soma que rondou os 23 milhões de dólares (cerca de 20 milhões de euros) ao rapaz, aos pais e ao advogado que defendeu a família do queixoso no processo.

A família de Michael Jackson e os gestores do seu património disputam a versão do documentário e das alegadas vítimas, chamando ao documentário “linchamento público” e desacreditando as alegadas vítimas, que acusam de querer obter “fama e dinheiro” com acusações para as quais não têm provas tangíveis.

Além de Diana Ross, também a cantora e atriz Barbra Streisand comentou de forma polémica o tema. Ao contrário da antiga vocalista dos Supremes, a cantora nova-iorquina de 76 anos acredita na versão das duas alegadas vítimas mas desvalorizou o impacto das acusações, dizendo que Wade Robson e James Safechuck “são casados, têm filhos, portanto foi algo que não os matou” e que “as necessidades sexuais dele [Michael Jackson] eram as que eram” e resultavam de “seja qual for a infância que teve, ou seja qual for o ADN que tinha”.

Barba Streisand já lamentou “profundamente qualquer dor ou mal entendido” que possa ter causado por não ter tido “mais cuidado” com as palavras que usou. A cantora garantiu não ter tido a intenção de “diminuir de algum forma o trauma que estes rapazes viveram” e acrescentou: “Como todos os sobreviventes de ataques sexuais, vão ter de carregar isto para o resto das suas vidas. Sinto um remorso profundo e espero que o James [Safechuck] e o Wade [Robson] saibam que os respeito e admiro verdadeiramente por terem apresentado a sua verdade. Para ser clara como água, não há nenhuma situação ou circunstância em que seja aceitável alguém aproveitar-se da inocência das crianças”, referiu.

A música do cantor norte-americano tem vindo a ser alvo de boicote por parte de algumas rádios internacionais, na sequência das acusações recentes de que foi alvo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)